Cristianismo Ortodoxo

Cristianismo Ortodoxo

sábado, 14 de julho de 2018

Um eremita Católico convertido à Ortodoxia: Uma entrevista com o Hieromonge Gabriel Bunge

O conhecido teólogo, hieromonge Gabriel Bunge, raramente dá entrevistas. Ele leva a vida de um eremita em um pequeno skete na Suíça, nunca usa a internet, e o único meio de comunicação com ele é o telefone. Este último funciona como secretária eletrônica em uma sala distante. Se você quiser falar com ele, você tem que deixar uma mensagem com a hora em que vai telefonar novamente, e se o padre Gabriel estiver pronto para falar, ele estará perto do telefone na hora que você especificou. Tivemos a sorte de não passar por essa complexa operação porque nos encontramos com o padre Gabriel em Moscou. Em 27 de agosto, ele se converteu do Catolicismo à Ortodoxia. 

Em nossa conversa, padre Gabriel nos contou sobre os motivos de sua decisão, sobre as principais diferenças entre Valaam e a Suíça e sobre muitas outras coisas.


P: Se alguém muda de uma tradição cristã para outra, isso significa que eles sentem falta de algo vital em sua vida espiritual ...

R: Sim. E se essa pessoa tem setenta anos, como eu, esse passo não pode ser chamado de apressado, pode?

P: Não, não pode. Mas o que lhe faltou, sendo um monge com uma experiência espiritual tão grande?

R: Eu tenho que falar não de uma decisão, mas de toda a jornada da vida com sua lógica interna: em um ponto acontece um evento que estava sendo preparado por toda a vida.

Como todos os jovens, eu estava procurando o meu caminho na vida, por assim dizer. Entrei na Universidade de Bonn e comecei a estudar filosofia e teologia comparativa. Não muito antes disso, visitei a Grécia e passei dois meses na ilha de Lesbos. Foi lá que vi pela primeira vez um verdadeiro ancião monástico ortodoxo. Naquela época, eu já estava interiormente sendo atraído pelo monasticismo e tinha lido alguma literatura ortodoxa, incluindo fontes russas. Aquele ancião me surpreendeu. Ele se tornou a encarnação do monástico que eu havia encontrado apenas em livros anteriormente. De repente, na minha frente, vi uma vida monástica que desde o início parecia ser autêntica, a mais próxima da prática dos primeiros monges cristãos. Posteriormente, eu estive em contato com aquele ancião por toda a minha vida. Então eu obtive um ideal de vida monástica.

Quando voltei para a Alemanha, entrei na Ordem de São Bento - parecia ser a mais próxima das minhas aspirações. A própria estrutura da Ordem se assemelha a uma das primeiras igrejas cristãs. Na Ordem, não há sistema vertical de subordinação, cada comunidade existe por si mesma. O que garante a unidade dessas comunidades é a tradição e o typicon da Igreja. Isto é, não uma ordem jurídica, mas o ideal espiritual. A propósito, nesse sentido, penso que são os beneditinos, de todos os crentes ocidentais, que estão preparados a entender os crentes ortodoxos com mais profundidade.

Mas ainda assim meu pai espiritual e eu vimos muito em breve que, com a minha simpatia pelo monasticismo oriental e o amor do cristianismo oriental em geral, eu não estava em meu devido lugar nesta Ordem. Então o abade, um homem idoso e experiente que eu ainda honro, decidiu me transferir para um pequeno mosteiro na Bélgica, e não sem pesar. Passei 18 anos lá, adquiri grande experiência, e de lá, com uma bênção, fui ao skete na Suíça. Todas essas transferências foram causadas por uma razão: a tentativa de progredir para uma autêntica vida monástica, como era com os primeiros cristãos. Como aquela que eu vi com os cristãos orientais. O passo mais recente deste caminho foi a conversão à Ortodoxia.

P: Por que você decidiu adotá-la? Pode-se amar a Ortodoxia com todo o coração e permanecer dentro do catolicismo tradicional. Existem muitos exemplos desse tipo no Ocidente.

R: Sim, muitas pessoas que são atraídas pela Ortodoxia permanecem dentro da Igreja Católica. E isso é normal. Na maioria das catedrais ocidentais existem ícones ortodoxos. Na Itália, existem escolas profissionais de pintura de ícones ensinadas por especialistas russos e outros. Mais e mais crentes na Europa estão interessados ​​hoje em hinos bizantinos. Até mesmo os tradicionalistas da Igreja Católica descobriram o canto bizantino. É claro que eles não os usam durante o serviço divino na igreja, mas fora da igreja, por exemplo, nos concertos. A literatura ortodoxa tem sido traduzida para todas as línguas européias e os livros são publicados nas principais editoras católicas. Em suma, no Ocidente eles realmente não perderam o gosto pelo autêntico, Cristão, que a tradição oriental preservou. Mas, infelizmente, isso nada muda na vida real das pessoas e da sociedade como um todo. O interesse pela Ortodoxia é mais cultural. E aquelas pessoas miseráveis ​​como eu, que têm um interesse espiritual pela Ortodoxia, somos deixados de lado, na minoria. Somos como esquisitos; nós raramente somos entendidos.

P: Como teólogo, você falou muitas vezes sobre o problema da separação entre o Ocidente e o Oriente. Podemos dizer que sua conversão à Ortodoxia é o resultado de sua meditação sobre esse assunto?

R: Quando eu estive na Grécia e comecei a me voltar para o cristianismo oriental, comecei a perceber o cisma entre o Oriente e o Ocidente dolorosamente. Deixou de ser uma teoria abstrata ou um enredo em um livro de história da Igreja e passou a ser algo que estava afetando diretamente minha vida espiritual. É por isso que a conversão à Ortodoxia começou a parecer um passo muito lógico. Na juventude, tinha sinceramente esperanças que a união do cristianismo ocidental e oriental fosse possível. Eu estava esperando que isso acontecesse com todo meu coração. E eu tinha algumas razões para acreditar nisso. No Concílio Vaticano II, havia observadores da Igreja Ortodoxa Russa, incluindo o atual Metropolita de São Petersburgo e Ladoga Vladimir (Kotlyarov). Naquela época, o Metropolita Nikodim (Rotov) era muito ativo em assuntos internacionais. E muitas pessoas achavam que as duas Igrejas estavam se aproximando e acabariam se encontrando em certo ponto. Era meu sonho que estava se tornando mais e mais real. Mas à medida que envelhecia e aprendia algumas coisas mais profundamente, deixei de acreditar na possibilidade da reconciliação das duas Igrejas em termos dos serviços divinos e da unidade institucional. O que eu deveria fazer? Eu só poderia continuar procurando por essa unidade sozinha, individualmente, restaurando-a em uma alma separada, a minha. Eu não pude continuar mais. Eu apenas segui minha consciência e cheguei à Ortodoxia.

P: Não é uma opinião radical demais?

R: Ainda na Grécia, sendo católico, percebi que era o Ocidente que se separava do Oriente, e não o contrário. Naquele momento, isso era impensável para mim. Eu precisava de tempo para entender e aceitar isso. Eu não posso culpar ninguém, claro que não posso! Estamos falando de todo um grande processo histórico, e não podemos dizer que essa ou aquela pessoa seja a culpada por isso. Mas fatos permanecem fatos: o que chamamos de cristianismo ocidental hoje nasceu como uma sequência de rupturas com o Oriente. Essas rupturas foram a reforma gregoriana, seguida pela separação das igrejas no século XI, depois a Reforma no século XV e, finalmente, o Concílio Vaticano II no século XX. Este é, certamente, um esquema muito grosseiro, mas acho que está correto no todo.


P: No entanto, há uma opinião de que a sequência dessas rupturas é um processo histórico normal porque qualquer fenômeno (e a Igreja Cristã não é exceção) passa por seus estágios de desenvolvimento. Qual é a tragédia nisso?

R: A tragédia está nas pessoas. Numa situação de acontecimentos revolucionários radicais, sempre aparecem pessoas que começam a dividir a vida em "antes" e "depois". Querem começar a contar apenas com esse novo ponto, como se tudo o que aconteceu antes não tivesse sentido. Quando os futuros protestantes proclamaram a Reforma, não creio que soubessem que isso levaria à separação da Igreja Ocidental em dois grandes campos. Eles não percebiam isso, apenas agiram. E eles começaram a dividir entre aqueles que os cercam em saudáveis - aqueles que aceitaram a Reforma - e os insalubres, doentes - os seguidores de Papa.

Além disso, a história se repete: o mesmo acontece agora em torno do Concílio Vaticano II dentro da Igreja Católica Romana. Há pessoas que não aceitaram suas decisões e pessoas que consideram ser algum tipo de ponto de partida. E todo mundo raciocina nesse sentido. Um exemplo simples: se, em uma conversa, alguém menciona "concílio" sem qualquer detalhe adicional, todos assumem automaticamente que estão falando sobre o Concílio Vaticano II.

P: Qual sua opinião sobre as tendências liberais-modernas entre os Católicos?

R: Estou muito feliz por ter a oportunidade de me dirigir ao público russo e dizer que você não deve reduzir todos os católicos a um só nível. Entre eles estão aqueles que gostariam de ser mais seculares, mais liberais. Isso não significa que eles são criminosos, é apenas o ponto de vista deles sobre a vida. Há outros que são totalmente dedicados à tradição. Eu não os chamaria de tradicionalistas, porque a tradição é importante para eles não em si mesma. Para eles, ela não é um folclore antigo, que deve ser artificialmente nutrido e mantido à tona. Não! A tradição para eles é o que em cada época proporcionou e continua a proporcionar uma comunhão pessoal e viva com Cristo, vivendo todos os dias nas mãos de Deus. Como João, o Teólogo, disse: “O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo ”(1 João 1: 3). Tenho certeza de que a posição "existe Deus e eu" é para os hereges. Para os cristãos, é "Deus, eu e todos os outros". Os outros são outros crentes e aqueles que por muitos séculos preservaram a fé para nós. Se as pessoas não tivessem ouvido as outras pessoas tão devotadamente, se elas não tivessem escrito e não tivessem passado adiante, não haveria Novo Testamento. Isso significa que teríamos nada...

P: E qual, neste caso, deve ser nossa atitude para aqueles que não são muito dedicados à tradição? 

R: Não devemos bater na cara deles e, claro, não devemos expulsá-los da Igreja. Qualquer pessoa merece a misericórdia cristã. Se eu, sendo ortodoxo, visse um católico em uma igreja ortodoxa, gostaria de me aproximar dele e dizer a ele abertamente, de forma suave e confidencial: “Escute, irmão, você pode estar interessado em saber que no começo todos nós fazíamos o sinal da cruz desta maneira: da direita para a esquerda. Agora tudo mudou. Não, eu não estou chamando você para reconsiderar toda a sua vida e correr para a Igreja Ortodoxa. Eu só quero que você saiba de onde as coisas vieram."


P: E por que você escolheu a Igreja Ortodoxa Russa?

R: Eu acho que o fator chave em tais decisões são as pessoas que o cercam. Quando meus conhecidos, bispos russos de São Petersburgo, souberam que eu estava adotando a Ortodoxia, eles disseram:
“Não estamos nem um pouco surpresos! Você sempre esteve conosco. Mas agora vamos ter uma comunhão mais próxima, uma comunhão sagrada - em um só Cálice. ”
Eu conheço o metropolita Hilarion, o atual chefe do Departamento de Relações Externas da Igreja do Patriarcado de Moscou, há muito tempo. Nós nos conhecemos em 1994, quando ele era um hieromonge. Eu o considero meu bom amigo e aprecio essa amizade.

Vladika Hilarion é uma das pessoas mais competentes e inteligentes que já conheci. Ele realmente se tornou para mim a única pessoa a quem eu poderia recorrer, quem me conhecia, minhas crenças e minha situação. E quem, como eu tinha certeza, estava pronto para responder. E foi o que aconteceu.

P: Como isso ajudará você a alcançar seu ideal de vida espiritual?

R: Você quer profecia de mim, mas eu não sou profeta. Eu não sei especificamente o que vai acontecer a seguir. Nós simplesmente viveremos. Mesmo agora eu já encontrei na Rússia muitas coisas que me mantêm interessado.

Por exemplo, visitei Valaam. Você sabe, no Ocidente, se um crente é atraído por uma vida de isolamento extremo monástico, ele realmente não tem para onde ir.

Ermitões como na Rússia, não existem no Ocidente. Esta forma de vida parece já estar desaparecida. Como monge, estou constantemente em busca da reclusão extrema, até mesmo de solidão. Em Valaam, senti que tudo estava lá.

P: Não há solidão suficiente no seu skete na Suíça? Valaam também é um lugar lotado, os peregrinos vão para lá regularmente.

R: A Suíça é um país pequeno e densamente povoado. O skete é cercado por uma floresta, mas em 15 minutos a pé há uma aldeia com cerca de cem pessoas que vivem lá. Em Valaam é muito mais tranquilo. Sim, claro, há muitas pessoas lá. Mas o lugar em si, como eu senti, é isolado do resto do mundo. Talvez seja porque é uma ilha, ou talvez seja devido a outras razões não geográficas.

Parece-me que tudo isso pode dar origem a esse estado desejável de reclusão no coração de todos que chegam lá.

P: É mais difícil na Europa?

R: Dizendo grosseiramente, podemos dizer que isso não existe no Ocidente. A tradição monástica autêntica do Ocidente foi praticamente erradicada no curso da revolução burguesa francesa em 1789. Acredito firmemente que as conseqüências dessa revolução para a Europa não foram menos pesadas do que as conseqüências da revolução de 1917 e dos 70 anos do poder ateu para a Rússia. Na França, depois daqueles sangrentos eventos, o monasticismo teve que ser restaurado quase do zero. Sacerdotes comuns, não monges, deveriam realizar isso [a restauração]. Não havia mais ninguém. Na Rússia, o monasticismo sobreviveu apesar de todos os choques e horrores. Sim, aconteceu no nível de indivíduos particulares, a saber, os anciões. Mas eles existiram! E eles mantiveram a tradição espiritual e autêntica vida monástica. Parece-me que, em tudo o que diz respeito à vida monástica, a Rússia não teve que começar do zero. É por isso que me sinto triste ao ouvir russos dizerem
“Tudo foi destruído, a Igreja foi erradicada, etc.”
Eu sempre quero responder: "Na minha opinião, você tem tudo: novos mártires e confessores, anciãos monásticos." E eles estão todos próximos. Só você tem que esticar [os braços], pegar essa riqueza e usá-la na prática, por assim dizer, em sua vida. Muitas vezes tenho a impressão de que a maioria das pessoas na Rússia não valorizam isso. Ou eles simplesmente não entendem que isso é valioso.

P: Por que, na sua opinião, isso acontece?

R: Por falar em problemas, as pessoas se concentram em dificuldades materiais, às vezes externas que os mosteiros e a Igreja enfrentam hoje em dia. Sim, há muito para reconstruir. Mas esta é apenas a parte técnica, por assim dizer, apenas as paredes e os telhados. Escusado será dizer, as pessoas queixam-se: telhados e paredes custam dinheiro, e onde se pode encontrar dinheiro ... Mas se formos mentalmente acima do telhado - deixe-o com buracos - veremos que as paredes não são o principal, é mais importante com que tipo de coração se entra nas paredes. O ditado russo diz:
"A igreja não está nos troncos de madeira, mas nas costelas".
E esta é a coisa mais importante, essa tradição espiritual, que ainda está dentro dos russos. Os anciãos monásticos e os novos mártires preservaram tudo isso para nós. Às vezes as pessoas argumentam
“Mas há tão poucos anciãos agora, a maioria deles já morreu. Não há ninguém para nos ensinar."
Eu sempre respondo,
“Se você não tem ancião vivo para lhe ensinar, volte-se para o falecido. Você tem sua hagiografia, seus textos, seus ensinamentos. Leia-os e correlacione-se com a sua vida”.
Não quero dizer que nunca conheci pessoas na Rússia que saibam, apreciam e valorizem esse conhecimento. Há muitas, muitas pessoas que fazem e minha visita a Valaam provou isto.

P: O que deve mudar agora em sua vida diária após a conversão?

R: Claro, existem coisas que mudam. Tendo me tornado um membro da Igreja Ortodoxa Russa, mas ainda morando na Suíça, eu me submeto ao arcebispo Innokenty de Korsun. As minhas relações com a Igreja Católica não podem, naturalmente, permanecer as mesmas.

P: Que reação você espera de seus filhos espirituais? Afinal, eles são provavelmente Católicos ...

R: Em primeiro lugar, felizmente lidei com pessoas de boa compreensão e tenho certeza de que elas respeitarão minha decisão. E em segundo lugar, nunca mantive minhas opiniões e crenças em segredo. Todos os meus filhos espirituais sabem que meu ideal de cristianismo está no Oriente. Eu não acho que eles ficarão tão surpresos. Eu não lhes dissera nada antecipadamente para evitar discussões desnecessárias. Mas não acho que nada de extraordinário aconteça. Acredito que a tradição de conversas espirituais que meus filhos costumavam vir permanecerá, não tenho razão para pará-la. Finalmente, as pessoas com as quais eu me comunico regularmente compartilham meu ideal espiritual mais ou menos; caso contrário, eles não viriam.

P: E quanto aos serviços divinos?

R: Claro que, a partir de agora, não poderei administrar a comunhão aos Católicos. Mas mesmo antes eu costumava fazer isso muito raramente: o skete está longe do grande mundo, o território é mantido fechado, os serviços também são privados, a capela é pequena - para dez pessoas no máximo. Somente no Natal e na Páscoa abrimos as portas para todos que querem se juntar a nós.

P: Se você pudesse e quisesse dar aos contemporâneos um pequeno conselho sobre como organizar sua vida de oração, o que você diria?

R: Se você quer aprender a nadar, pule na água. Só assim você pode aprender. Somente quem reza sentirá o significado, o gosto e a alegria da oração. Você não pode aprender a orar sentado em uma grande poltrona morna. Se você está pronto para ajoelhar-se, arrepender-se sinceramente, levantar os olhos e as mãos para o Céu, então muitas coisas serão reveladas a você. É claro que você pode ler muitos livros, ouvir palestras, conversar com pessoas - esses também são importantes e ajudam a entender mais. Mas qual é o valor de todas essas coisas se não dermos passos reais depois? Se não começarmos a rezar? Eu acho que você deve entender isso também. Obviamente, você está fazendo essa pergunta a partir da posição de quem não acredita ...

P: Exatamente. Nossa revista é para quem duvida.

R: Não há nada de errado com dúvidas, elas são úteis até. Não se deve procurar por elas, no entanto. Mas se elas aparecem, é preciso lembrar que todos nós temos a chance de ouvir,
"Coloque o seu dedo aqui; veja as minhas mãos. Estenda a mão e coloque-a no meu lado. Pare de duvidar e creia" (João 20: 27).


http://orthochristian.com/44489.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário