Cristianismo Ortodoxo

Cristianismo Ortodoxo

segunda-feira, 21 de maio de 2018

O Caminho da Oração Noética (Arcebispo Antonio Golynsky-Mihailovsky) [Parte 2/2]

O Caminho da Oração Noética

  • Oração verbal

Aquisição do Hábito


É preciso começar a Oração de Jesus, como qualquer outra oração, com a palavra. "Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim, pecador" - é assim que um homem apela a Deus algumas vezes enquanto lê a regra da manhã e da noite, ou simplesmente o tempo todo e em toda parte, em qualquer condição e em qualquer lugar, fazendo como foi dito pelo seu pai espiritual. Se alguém não tem um ancião, então ele ainda assim deve tentar estar com a oração em todos os lugares e em todos os momentos.

Até quinhentas orações de Jesus podem ser adicionadas em cima das orações da manhã e da noite que são lidas no livro de orações. Elas devem ser ditas com toda a atenção possível, seguindo, de acordo com a força, o seguinte padrão: antes da regra, trinta e três prostrações, depois de cada cem orações de Jesus três prostrações, depois de cada dez orações - uma curvatura até a cintura. No final da regra - novamente trinta e três prostrações. Quando você estiver fraco, é permitido não fazer prostrações. Ou você pode substituí-las por curvaturas até a cintura, ou simplesmente benzer-se, e, guardando às palavras, sem qualquer confusão, continue a Oração. Antes e durante as festas, as prostrações podem ser substituídas pelas curvaturas até a cintura.

Se surgir a necessidade de acrescentar às quinhentas orações mais cem, duzentas, trezentas, quatrocentas ou quinhentas - você pode acrescentar isso e então diminuir o que é lido no livro de orações. Você pode fazer mil pela manhã e a noite. Se você sentir a necessidade maior de fazer a oração, acrescente mais e diminua o que lê no livro de orações. Se houver um desejo crescente e uma necessidade interior da Oração de Jesus em vez das regras da manhã e da noite, não interrompa esse desejo. Mantenha as orações da manhã e da noite que você lê no livro de orações, e o restante pode ser omitido, para que você possa aperfeiçoar o hábito da Oração de Jesus.

Assim, sua mente será gradualmente reunida e atraída para esse sentimento de oração. Certifique-se de não abandonar a Oração de Jesus entre as regras da manhã e da noite. Ajuste sua vida a isso, procure por qualquer oportunidade para evitar a verbosidade e organize seus assuntos externos e sua vida de acordo.

Isso parece não difícil. O que pode ser mais fácil do que repetir as mesmas palavras simples desta breve oração? Mas acontece que na prática isso não é tão fácil. A alma que perdeu o hábito de lembrar-se de Deus, que passou sua vida em paixões ao invés de se posicionar diante do Senhor, continua a ser atraída pela diversidade de impressões preservadas em sua memória, que foram aceitas através dos sentidos da visão, da audição, do cheiro, sabor e toque. A mente segue a memória como um escravo, pois tudo no homem interior que deve estar sob o controle da mente, incluindo os cinco sentidos externos, prevalece sobre a mente. Sensações externas servem como veículos do que é preservado na memória, e essas impressões tomam como reféns e mantêm em seu poder a mente e o coração, enquanto a mente e o coração são o precioso epicentro da essência da entidade humana, predeterminada pelo Senhor para ser Sua morada.

Quando o homem submerge sua mente e seu coração em impressões e começa a usar os sentimentos como guia, sua alma passa a viver uma vida apaixonada além de sua natureza. Quando as sensações dominam, então a mente, escravizada pelos desejos carnais, perde a liberdade que recebeu de Deus como um grande dom, e provoca o completo tumulto no homem interior. Sensações que não são usadas para a vigilância e para a co-participação na oração são excitadas por tudo que pode ser aceito de dentro e de fora. Sob tal desordem interna, o homem é incapaz de ser vigilante, de manter o jejum espiritual; apesar de sua inclinação, ele não pode refrear sua mente nem seus sentimentos. Tudo está em desordem por causa de uma vida não vigilante e não atenta. É por isso que o homem que se aproxima da obra de oração deve estar pronto desde o início para liderar uma luta contra toda a estrutura de sua vida anterior, renascer completamente com a ajuda da graça, livrar-se de tudo que não é natural nele.

Quando uma pessoa diz a Oração, ele se deixa levar, diz de novo e se distrai, lembra novamente e repete. Uma e outra vez o homem perde a Oração, excitado por noções anteriores que são preservadas na mente, ou por novas sensações vindas de fora. Lembranças que são mantidas no coração surgem e visitam a mente na forma de pensamentos, e lá se precipita o diabo, misturando-se com esses pensamentos. Mas se o homem está determinado a estar muito atento a si mesmo, então, no início, ele começa a descobrir o que está acontecendo em seu mundo interno. À medida que a atenção do homem aumenta, o ato de oração da mente permite-lhe refrear as sensações das distrações, capacita o homem a ver mais claramente o mal que sai do coração através dos pensamentos. E isso já é algum fruto da oração.

Apesar dessas intermináveis distrações, não importa quão fraca seja a oração, não há necessidade de ficar ocioso e inativo. O homem não deve abandonar a oração; pelo contrário, é preciso aumentar o desejo de oração para purificar o coração do pus do pecado. Não importa quantas vezes a mente se esqueça da oração, ela deve se lembrar e fazer de novo e de novo. Na medida em que forçar a si mesmo, o Senhor diminuirá seu esquecimento e sua atenção começará, embora muito lentamente, a aumentar. Quanto mais tempo a mente humana gasta em oração, mais ela é levada pelo Senhor para o trabalho dos anjos, no sentido de participar da oração.

Ocupe-se sempre com a oração - dia e noite, noite, manhã, em casa e fora, em trânsito e no trabalho, em pé, andando, deitado e sentado, durante a regra e fora de todas as regras. Em todos os momentos faça a oração. E aqui está o porquê: a paixão, assim como uma virtude, tem sua raiz no homem pelo hábito. A mesma boa ação, sendo repetida, torna-se normal para o homem a partir de sua repetição, torna-se um hábito e é feita sem coerção, como algo natural. Da mesma forma, o pecado repetido forma uma paixão. E a paixão, tendo ganhado força, seduz a pessoa a pecar por hábito e, imitando a qualidade natural, força o homem a pecar mesmo contra a sua vontade.

A Oração de Jesus, assim como as outras virtudes, precisa de prática. O homem deve experimentar sempre a auto-coerção, em alegrias e tristezas, para estar em oração. Uma inclinação é construída através da auto-compulsão com a ajuda da graça divina; o homem é fortalecido para o próximo trabalho de oração. O hábito de fazer a oração é adquirido pela repetição persistente das palavras de oração. A oração verbal requer quantidade - um grande número. Diga a Oração quantas vezes for possível durante o dia todo. No futuro, embora não imediatamente, o número vai aumentar, dependendo da atenção e da diligência da mente que ora.

Durante a oração verbal, o diabo, a carne e o mundo agem dentro e fora de nós, distraindo a mente da oração. Lute contra este mal mentalmente visível com a ajuda da Oração em si - cuide dela e, desta forma, afaste qualquer mal. O começo da luta contra o mal e o pecado começa com a oração; com isso, a força para lutar nessa guerra aumenta. É impossível lutar contra o diabo e o pecado apenas com sua própria força.


Vida externa 


A vida externa de um homem durante a fase verbal da Oração deve ser organizada da seguinte maneira: não importa quais sejam as circunstâncias, que posição você ocupa, que obediência você faz, em todas as situações busque pela solidão e menos oportunidade de conversa fútil, guardando assim sua língua. Lábios silenciosos criam convenientemente um ambiente melhor para a oração. É necessário lembrar sempre que o próprio Senhor olha para o lutador. Maus tratos e insultos devem ser suportados com paciência e devem ser perdoados incondicionalmente. Se insultado, não seja rancoroso. De tempos em tempos respire do fundo do seu coração as palavras do publicano: "Senhor, tem misericórdia de mim, pecador!" e à Mãe de Deus: "Mãe de Deus, não me abandones, pecador" e ao anjo da guarda também da mesma maneira - e continua dizendo incessantemente a Oração de Jesus.

Durante o tempo livre, quando você não está envolvido em nenhum trabalho ou obediência, você precisa ler livros que beneficiam a alma para dar descanso à mente que está cansada da tensão da oração. É bom ler as vidas dos santos e lutadores pela vida pura, que estavam salvando a si mesmos nos últimos tempos, o Novo Testamento e os Atos e cartas dos santos Apóstolos. Os grandes livros sobre os estágios visionários da oração não devem ser tocados neste momento, pois podem prejudicar o leitor; eles serão lidos mais tarde na luta. A leitura desses livros pode dar origem a tristezas insuportáveis na mente inexperiente. Ela seria enfraquecida e não seria capaz de cumprir o que está escrito lá, e ficaria muito confusa e desanimada, dissociando-se assim da graça de Deus. Livros que não encorajam a correção da moral, ou seja, de natureza secular, não devem ser lidos durante todo esse tempo. Ocupe-se exclusivamente da correção de sua moral e inclinações da alma, esperando receber ajuda da graça que está agindo na oração.

O sono deve ser de seis a sete horas, se você tiver força e saúde; se estiver doente ou fraco, pode dormir até oito horas por dia. Faça isso até o momento em que a própria oração estabelecerá a duração do sono e você descansará o quanto for possível. Um descanso tão longo (de seis a oito horas) é necessário porque orar a Oração de Jesus requer um trabalho mental intensivo, e isso só é possível se o descanso fortalecer a mente. Caso contrário, a mente é incapaz de orar com atenção.

Comida requer moderação sempre. Isto significa: deixe a mesa sentindo que você não comeu o suficiente, que você não está completamente cheio. Ensine-se a usar moderação ao beber também. Não consuma álcool, a fim de não excitar a carne e a paixão pecaminosa. Coma pouco daquilo que contém muita gordura, a fim de não se afligir com uma luxúria animalesca pecaminosa e pesarosa no estômago que predispõe a mente à sonolência e ócio. Coma principalmente alimentos de jejum que sejam facilmente digeridos, agradecendo a Deus por Sua misericórdia e acreditando firmemente que as calorias contidas nos alimentos da Quaresma são suficientes para manter a vida de seu organismo e fazer a Oração. A preparação dos alimentos deve ser simples, evite qualquer refinamento.

As relações de negócios e, em geral, todo o modo de vida de uma pessoa devem ser simplificadas ao máximo para não dar qualquer motivo para cuidados inúteis sobre assuntos externos e para evitar distrações e perambulação da mente. Lembre-se que o homem vive nesta terra como convidado e viajante. Ficamos uma noite - e então nos apressamos para a eternidade, onde responderemos pela vida que vivemos na terra. Não se excite com nada terrestre, mesmo que seja muito importante - a terra não é um lugar para se viver, mas sim um lugar de preparação para a vida eterna. Aprenda com firmeza de coração que está determinado que o homem na terra está determinado a lamentar, e não se alegrar:  "No mundo tereis tribulações" (João, 16, 33).

Ensine-se a ficar satisfeito apenas com o que é realmente necessário. Tudo o que é desnecessário exige cuidado excessivo, retira parte do tempo que lhe é dado para adquirir coisas boas para a sua alma e para a glorificação de Deus. Em todos os momentos e em todos os lugares, apegue-se somente àquelas coisas que auxiliam a salvação - é por isso que o Criador nos colocou nesta terra dolorosa. Evite visitar os lugares onde você não pode evitar o entretenimento e não pense neles. Se acontecer de você se encontrar em tal lugar por necessidade, afaste-se de lá o mais rápido possível, lembrando que toda a sua preocupação é se aproximar do Senhor através da oração, e aquele que abandona esse esforço começa a se retirar da batalha. Nunca conceda liberdade aos seus desejos, pois isso mata a alma e escurece a mente. Por mais que você suprima seus desejos, por mais que se afaste das pessoas e permaneça em silêncio por amor a Deus, nesse mesmo grau o Senhor estará com você, ao passo que a falta de cuidado com a oração o afastará do Senhor.

Ame Deus. O amor de Deus deve ser testemunhado pelo corte de sua vontade e pela execução da vontade de Deus. É bom para o Senhor que nossa mente esteja ocupada com a oração incessante, portanto tenha cuidado com isso de todas as formas possíveis. Fique longe de festas públicas, recepções oficiais e todas as coisas dessa natureza. Aprecie cada momento que lhe é dado para a sua salvação, para a iluminação da sua mente, lembrando que é impossível receber mais tempo para alcançar a salvação após a morte. Você pode viver sem jantares públicos, mas é muito difícil ficar longe do mal que eles infligem. Em geral, tente evitar tudo o que o afasta da solidão; em vez disso dirija todo o seu desejo para conversar em oração com o Senhor. Revele por esta sua boa intenção.

Sucesso na Oração não deve ser notado na fase verbal, porque o homem ainda vive em suas paixões, apesar de seu desejo de viver para Deus. O homem vive de acordo com seu coração e as paixões - esses hábitos pecaminosos - também habitam lá. Elas são enfraquecidas pela oração verbal, mas não abandonam o coração. Quaisquer visões, dons e revelações, não importa a forma que tomem, não importa quão sagradas e graciosas elas pareçam a você, devem ser evitadas; não prenda sua mente a coisas assim; observe somente à Oração que você recita.

Perceba-se indigno de qualquer dom, que é como é na realidade. Você começou a Oração não para receber dons, mas sim para buscar a Oração e compromisso com a vontade de Deus. Deus dá isto geralmente não a pessoas orgulhosas, que desejam dons, visões e revelações, mas àqueles que se consideram indignos não apenas dos dons, mas da própria vida que é tão cheia de tristezas. Tais pessoas vêem sua pecaminosidade, e a medida da consciência de sua pecaminosidade é a medida de purificação do coração do pecado. Essa percepção é a coisa mais preciosa na pratica da oração arrependida. "Senhor, Rei, conceda-me ver minhas próprias transgressões e não julgar meu irmão" - assim é como Santo Efraim, o Sírio, orou, e não buscou dons. Mais uma vez: "Aquele que vê seus próprios pecados é maior do que aquele que viu um anjo", porque o primeiro tem seu olho espiritual aberto, o segundo ainda vê com um olhar apaixonado.

Como já foi dito antes, diga a Oração de Jesus em todos os lugares e o tempo todo. Quando estiver sozinho, sussurre-a e, quando estiver entre as pessoas, recite-a dentro de si. É útil dizer dentro de você, mesmo quando você está sozinho; quanto mais íntima se tornar para você, melhor será. Aprender uma disposição interna de oração ajudará você a manter a oração em meio a uma multidão de pessoas, atendendo às suas palavras e secretamente trabalhando em sua salvação.

Quando você está no templo de Deus, você pode usar a oração de Jesus em todos os serviços. Durante a Liturgia, especialmente durante a Grande Entrada, quando todos os que estão orando pedirem de seus corações de acordo com suas necessidades, faça o mesmo que eles: peça ao Senhor, como você pode, para perdoar seus pecados. Se a Oração de Jesus se ligou a você inteiramente e é dita sem dificuldade, então, mesmo durante estes minutos sagrados, diga-a. Ela contém o apelo arrependido ao Senhor para perdoar seus pecados; a essência de todas as nossas orações e lutas está nessa questão. Se no serviço da igreja, especialmente na liturgia, você pode manter uma grande atenção, quando a mente não está sendo roubada por vários pensamentos, então ore como desejar. Mas eu aconselho que você não ignore a toda-poderosa Oração de Jesus, porque todas as virtudes são adquiridas através dela.

Expulse de si mesmo as alegrias seculares; arrume sua cela-quarto de modo a evitar diversão. Quando surgir a necessidade de raciocinar ou discutir algo com as pessoas, então pondere sobre a morte, o inferno, o destino dos pecadores que não se arrependem. Quando uma grande tristeza tomar conta de você, então, afaste-se dos pensamentos sobre o inferno, que podem ser evitados através do paciente sofrimento das dores nesta terra, considere o paraíso, a bem-aventurança de estar perto de Deus que é recebida cumprindo a santa vontade de Deus, pacientemente suportando todas as coisas que são encontradas ao longo da vida, praticando mentalmente a Oração de Jesus. "Devemos através de muita tribulação entrar no Reino de Deus" (Atos, 14, 22). Os sofrimentos, internos e externos, que são pacientemente suportados na terra, nos substituirão os tormentos do inferno na eternidade e se tornarão, em imitação de Cristo, a imagem da Cruz de Cristo, que nos leva à vida eterna, isto é, ao Senhor, e ao eterno morar Nele.

Salvar a si mesmo é experimentar o sofrimento. Sem tristeza, não há salvação, assim como não há felicidade nesta terra para o seguidor de Cristo: "No mundo tereis aflições" (João, 16, 33). Os seguidores de Cristo levam suas vidas em tristezas, e o sofrimento é seu companheiro permanente e tirano, mas ao mesmo tempo é um professor da verdadeira sabedoria celestial e divina. O caminho da cruz de Cristo é cheio de pedras e espinhos, mas concede ao homem o verdadeiro conhecimento, compreensão da essência das coisas e dos fenômenos, e faz dele um autêntico teólogo, mesmo que o homem seja bastante simples e não seja hábil em ciências externas.

Todas as coisas devem ser feitas honestamente, sem hipocrisia e agradável àqueles ao seu redor, para que sua alma seja pura e não te reprima. Aprenda a amar todas as pessoas - as pessoas mais próximas a você, aquelas doentes e fracas, perdoe todos os abusos e insultos causados por elas. Trate aqueles que desejam o seu mal como benfeitores. Assim, humilhando-se por todos os meios e se recriminando, você pode adquirir amor por todos e não ter inimigos. Cumpra esses requisitos e continue a oração verbal de Jesus até que se torne um hábito.

Adição salvífica à sua vida

Esta obra não é determinada pelo tempo e é diferente para várias pessoas. Os jovens, se tentarem, conseguem mais rápido, enquanto para os mais velhos é mais lento porque a memória dos idosos contém mais paixões do que a dos jovens. Aqueles que não são bem-sucedidos são aqueles que não querem trabalhar para sua salvação. Os pensamentos aparecem em quantidade sem fim durante a oração verbal; quase todos nascem no coração com a participação do diabo. A mente, atendendo à oração, lança pensamentos apaixonados contra a rocha do mais doce nome do Senhor Jesus Cristo. Há pensamentos que são difíceis de se livrar; eles atormentam o homem contra sua vontade por um ou dois dias ou mais. Tais pensamentos têm que ser confessados a um ancião ou gerondissa, ou, se você não tem um ancião, fique de joelhos diante de Deus e peça a Ele para providenciar retaliação contra seu oponente, isto é, o diabo. Faça com precisão o que o ancião lhe disser, e o pensamento que foi revelado e confessado ao ancião observador, ou diante de Deus, se afastará de você. É bom que o ancião esteja na Verdade, esteja acima das tentações de seus discípulos e não seja possuído pelo pensamento na mesma forma e imagem.

Caso você não tenha ninguém a quem possa mencionar sua tentação, determine não concordar com o pensamento durante toda a sua vida e lute sem desânimo. O Senhor, vendo você lutando e lutando pelo bem, o ajudará impedindo o pensamento, ou, sem tirar a luta de você, dando-lhe paciência. Deus permite isso para que você possa adquirir conhecimento salvífico e paciência através da luta, e no devido tempo infligir uma ferida profunda à cabeça do diabo. Confesse e receba a comunhão sempre que possível, mas não com muita frequência, já que devemos nos preparar com dignidade. Se você não tem a oportunidade de comungar uma vez por ano, então, colocando toda a sua esperança no Senhor, permaneça em oração, e o Senhor, vendo a sua boa disposição, aceitará o seu desejo como a própria comunhão.

Ao fazer a Oração, a pessoa adquire a lembrança de Deus, a visão de sua pecaminosidade e impotência, e a visão de sua retidão e confiança em seus próprios poderes desaparecem. O homem deixa de perceber a si mesmo como digno de qualquer coisa especial, porque através da atenção aos pensamentos e desejos ele descobre que está completamente enterrado no pecado. Um pecador não é digno da visitação do Senhor; pense em si mesmo como indigno também. À luz do que acabou de ser dito, enquanto estiver fazendo a Oração, não leve em conta nada incomum dentro ou em volta de você - qualquer tipo de luz, calor, rostos de santos ou algo assim -  já que tudo, exceto a oração e atenção, é do diabo.

A graça é dada ao praticante da oração na própria Oração, limpando assim a mente das trevas e a alma das paixões. O principal valor para aquele que está se arrependendo é nisto e em nada mais. A graça só pode fazer parte do homem quando a mente, pacificamente, sem confusão, faz a Oração e conquista os pensamentos com o nome de Deus. É um desastre para a mente se esforçar para qualquer outra coisa - ela irá colher pobreza e tristeza, e não evitará o engano demoníaco.

Existem pensamentos que são chamados naturais; eles vêm da mente que não quer pecar. Nós não vamos insistir neles porque eles são inofensivos e inúteis. É o trabalho da mente aceitar apenas um pensamento - o da oração. O resto dos pensamentos são os estranhos que passam, que são desnecessários para a mente, e aquele que começar a conversar com eles não escapará o mal. Incontáveis números de ataques vêm à mente, mas não tenha medo disso; todos eles desaparecerão sem deixar vestígios se apenas o nous não os escutem, estando ocupado com a oração. Nada pode conquistar a mente quando o nome de Deus está com ela.

Não é necessário nenhum conhecimento e sabedoria especial para fazer esta oração verbal, tudo o que se precisa é determinação, e o sucesso seguirá indubitavelmente. Não há tentações especiais difíceis de distinguir neste momento; o diabo luta principalmente contra você com ataques por meio de pensamentos, mas é preciso se afastar do mundo externo por uma questão de segurança. Qualquer pessoa pode praticar a oração verbal, apenas não aceite imagens visuais e mentais, recite a Oração e cuide dela. A duração do estágio verbal depende da força e diligência do praticante e do grau de aspereza do coração antes do início do trabalho de oração.

O resultado do exercício na oração do verbal é o hábito obtido pela graça de Deus. O testemunho desse hábito adquirido é o fato de que, após uma distração temporária da oração, a própria língua começa a dizer as palavras da oração, então a atenção é direcionada para essas palavras, e a mente conscienciosamente continua a leitura verbal da Oração.

  • Oração mental ativa (mente no coração)

Estágio ativo

A Oração de Jesus mental ativa é chamada de "mental", porque é dita na mente, e "ativa" porque, até que haja uma rendição completa à vontade de Deus, e é deliberadamente repetida por um homem, sua oração não é ainda auto-movida pelo Espírito Santo. 

Tendo se acostumado com a oração verbal, como foi dito acima, a mente começa, de acordo com a frase dos Santos Padres, a atender mais calorosamente e com maior esforço as palavras que são ditas pela língua. Ao ouvi-las, começa a mergulhar em oração gradualmente e com prazer. Finalmente, tendo adquirido amor por esta atividade, e em vez de se envolver no turbilhão de pensamentos que vem do coração, a própria mente começa a fazer a Oração. De agora em diante, a Oração, que nasce na profundidade secreta do nous e não dos lábios, não é mais pronunciada, mas é concebida na mente. Há pessoas cujas mentes são tão naturalmente desenvolvidas antes dos exercícios de oração, que podem se aproximar diretamente da oração mental, ignorando completamente o estágio verbal.

Com maior clareza, distingue-se os pensamentos estranhos. Gerada pela mente, a oração é natural para o nous, e todos os pensamentos que entram podem ser identificados como estranhos e cortados. É mais conveniente para o nous manter a atenção no pensamento da oração que nasce em sua profundidade. A força da mente aumenta; a prontidão da mente para repelir os ataques do diabo torna-se mais potente. Orando atentamente com seu próprio pensamento, que está nascendo por si mesmo, a mente se torna mais refinada do que antes, quando ouvia apenas as palavras que eram pronunciadas pela língua.

A partir de agora, o homem começa a seguir o caminho dos anjos no âmbito de sua mente. Em sua essência, a oração mental se alimenta do espírito e é feita pelo espírito, e assim é a comida e o trabalho permanente dos santos anjos.

Agora tal homem pode receber a imagem angélica sem dúvida - ser tonsurado. Pode-se ser seu padrinho no monasticismo sem preocupações, testemunhando as promessas que ele deu a Deus durante o corte do cabelo. Este já é o imitador dos anjos.

A tonsura realizada em uma pessoa que não tem uma oração mental é duvidosa. É por isso que o monasticismo nestes tempos tornou-se muito mais fraco e o fenômeno do trabalho mental é tão raro. Gerondas e gerondissas eles mesmos, com algumas exceções, não têm o trabalho angélico [de oração mental], embora eles estejam vestidos externamente nas vestes de trabalho angélico, contudo eles os usam em condenação de si mesmos. Aqueles que são apresentados a eles para tonsura não têm nada a ver com a imagem angélica. Assim, nossos mosteiros se encheram de monges que se interessavam muito pelo conhecimento científico e diferiam do mundo secular em suas roupas, mas não eram diferentes dele em termos da essência interna do homem que está fazendo o trabalho angélico da oração incessante. E o que é ainda pior, muitos deles consideraram o trabalho mental como um erro e um engano demoníaco, porque pensavam que a dignidade da vida monástica estava na regra externa da vida monástica. No entanto, Deus precisa do nosso coração. Se você limpar o interior, o exterior também ficará limpo. Deus precisa do nosso espírito, da nossa mente e alma, e não do corpo, envolto em vestes.

Um homem que adquiriu o hábito da oração mental testemunha, por ela, a misericórdia de Deus e o fato de que o Senhor aceita seu arrependimento. Esta é a mensagem de Deus que, se ele continuar a trabalhar mais na purificação do seu coração, o homem receberá a bem-aventurança do perdão completo, e então todas as suas paixões serão destruídas e expulsas. A oração mental - esta misericórdia de Deus - aquece a mente do homem pela graça, e ele se torna o refém desse trabalho. Tendo adquirido a oração mental, que ele não se desespere com sua salvação, mas com uma fé fortalecida e com maior zelo, que ele comece uma nova luta com o diabo, que continua seus ataques através de pensamentos.

De agora em diante, os pensamentos que saem do coração não são tão grosseiros como antes - eles se revelam em formas mais "sofisticadas". Formas refinadas de tentações são mais difíceis de distinguir, mas aquele que alcançou a oração mental através da graça também recebe ajuda divina contra os truques do diabo. Agora, a mente que previamente não percebia as tentações refinadas que agem no coração, começa a descobri-las e as corta pela espada da oração mental. Toda vez, quando o ataque do inimigo é descoberto e repelido, o diabo é forçado a inventar mais novas armadilhas, mas o nous que obstinadamente atende apenas à oração e rejeita qualquer outra coisa, recebe um dom abençoado de maior refinamento no discernimento dos ataques do diabo.

Isso também diz respeito à atenção. Se, a cada corte do ataque do inimigo, a atenção continuar a manter a oração, ela se tornará cada vez mais forte. Esta é a ordem da guerra. A mente é seduzida por um ataque cada vez mais sofisticado, mas ao permanecer em oração, revela seu amor a Deus e seu desprezo pelo diabo, e toda vitória desse tipo fortalece a atenção e a sutileza da mente. A mente atenta é capaz de lutar não apenas contra os assaltos, mas também contra as outras tentações de Satanás, que são permitidas pela graça.

O diabo freqüentemente se aproxima com idéias que parecem boas, a fim de melhor nos distrair da oração que é odiada por ele acima de todas as coisas. Ele dá a habilidade de discutir questões teológicas, revela alguns mistérios e oferece uma imitação de dons elevados e algumas outras mentiras. A mente, sonhando com esses dons em vez de implorar por misericórdia; a mente, mergulhando na teologia enquanto esquece sua indignidade; a mente, envolvida na comunicação com os espíritos, em vez de se arrepender diante de Deus; a mente, aceitando revelações de espíritos e inclinada a coisas como essas - tal mente abandonou Deus e se desviou para o reino dos assistentes de Satanás. Grande é a ilusão demoníaca de tal mente, e o que é ainda pior - não aceita conselho de ninguém, permanecendo em sua escuridão.

Não há nada mais elevado para um homem do que conversar por meio da oração mental com o Deus onipresente, estando diante dEle com seu nous, implorando perdão pelos seus pecados. A oração é chamada de mãe das virtudes porque somente através da oração todas as virtudes verdadeiras são adquiridas e os dons da graça são concedidos. Observe e observe novamente a sua oração, e Deus cuidará de tudo que é grande e misterioso quando for necessário, quando seu coração estiver purificado completamente das paixões e quando a vontade de Deus for executada completamente. O próprio Senhor trabalha na oração e através da oração - e tudo o que está fora da oração, por mais salutar e bom que seja, é incapaz de vencer o diabo porque não tem força real em si mesmo.

A oração mental, assim como a oração verbal, precisa de quantidade no começo. É necessário aumentar a quantidade de modo que sua mente se torne forte na criatividade mental, de modo que, invariavelmente, comprometendo-se completamente à vontade de Deus, o trabalho mental se torne um hábito mental. O sinal de um hábito adquirido na oração mental é quando, ao acordar, um homem sente imediatamente um movimento orante da mente, e também, quando algo o distrai, a oração começa a ressoar em seus pensamentos, e sua atenção sempre se inclina à oração . A oração não deixa o homem durante a alimentação e outras atividades. Outro sinal é quando o homem, enquanto ouve alguém, continua a observar à oração e não ouve tentações, porque sua própria mente está disposta para a oração.

Durante esse período, quando as tentações do diabo se tornam mais sofisticadas e complexas, é muito difícil não se perder nelas. Se você tem um instrutor experiente - ancião, pai espiritual, professor - então não há problema porque ele mostrará quando e o que fazer, e prevenirá sobre as tentações. Se não houver pessoas experientes, então não tenha medo - permaneça com a oração e atenda apenas a ela, afaste o resto. O Senhor permite a tentação a cada praticante da Oração de acordo com a medida da força mental; o diabo não pode fazer nada além do que é permitido. Guerrear com Satanás apenas com a espada da oração e tentações será para o seu benefício; servirão para entender os ardilosos truques do diabo e fortalecer a mente humana.

A mente não deve prestar atenção a nenhum acontecimento sobrenatural - nem a luz, mesmo quando vem de um ícone, nem uma voz, mesmo que os anjos cantem - porque a mente está diante e apela em oração ao próprio Mestre dos Anjos, que está presente, invisível, em todo lugar. E o que pode estar acima disso? Não tome nota, não importa o que, dos anjos que aparecem diante de você e dos santos, porque as experiências autênticas não ocorrem antes de uma completa limpeza das paixões, antes da execução total da vontade de Deus. O que acontece antes disso são armadilhas demoníacas. Se a mente, sabendo disso, não é seduzida por esses espíritos, então eles passarão, e a graça não permitirá a tentação acima da força daquele que está orando.

A graça sempre age na oração, e através da oração dá tudo o que a mente precisa no devido tempo. Tornando-se mais refinado, o nous adquire uma visão da pecaminosidade que enche o coração humano, e então a mente chora e apela a Deus por misericórdia. O diabo tem medo de um homem que persevera nessa obra mental e vê sua pecaminosidade, e, com todas as suas enganos e delusões, ele foge de tal homem, porque ele sabe que será derrotado, ao passo que o lutador obterá experiência em discernir tentações e crescimento espiritual na luta com eles. Derrotado repetidas vezes pela graça, o diabo continua se aproximando do guerreiro espiritual com vários estratagemas e fraudes. Forçado a oferecer mais e mais novas tentações astutas, o maligno, contra sua vontade e pelo fato de fazê-lo, enriquece a mente da pessoa que ora com o conhecimento da arte da luta. Nas tentações, que são permitidas pela graça, o homem se convence da impotência do diabo e compreende na prática quão forte é o nome do Todo-Poderoso.

É impossível descrever tudo o que acontece durante a oração mental, e coisas diferentes acontecem com várias pessoas. Muito depende do zelo do soldado, algumas da complexidade de sua atividade externa e das circunstâncias que o cercam. O principal, para que a mente seja purificada do escurecimento e a alma liberada das paixões, é ver sua própria pecaminosidade e chorar por ela. Não permita que nada, exceto o nome do Senhor, o encante, não concorde com qualquer outra coisa e só conheça a oração atenta em todos os momentos e em todos os lugares.

Educação pela Graça

Na mesma medida em que o homem avança na oração, na mesma medida, sua realização em todas as outras virtudes cresce e ele se torna mais comprometido a se render à vontade de Deus, na execução dela. A consciência da própria pecaminosidade destrói a imagem de que temos quaisquer méritos e boas qualidades. A lembrança constante do Senhor concede à mente a visão da mão direita de Deus trabalhando com ela, o que derrota os inimigos. Mantenha a memória do Senhor, orando a Ele com atenção, e Ele mesmo retaliará por você, destruirá para você todos os inimigos contra os quais você não pode lutar por causa de sua impotência. Tudo o que depende do homem é uma boa predisposição, um desacordo com o mal e a determinação de lutar contra o mal, porque todas as vitórias são alcançadas por Jesus Cristo. Você pode empreender qualquer coisa contra o diabo sem Deus - qualquer coisa que você queira contra o mal - mas tudo será roubado de você por uma das paixões. O sucesso é alcançado somente através da graça invisível de Deus.

A graça aceita a boa predisposição do homem e o ensina a não confiar em si mesmo, mas no Deus salvador, instrui-o a guerrear em nome de Deus, mostra ao homem sua  impotência, insignificância e o deixa humilde. A graça educa o homem a se render à vontade de Deus, a encontrar tudo em Deus e confiar em tudo somente em Deus. Assim, a atividade do homem é organizada com sucesso pela graça, e o homem, vendo tal cuidado por si mesmo, adquire uma confiança natural e começa a se entregar totalmente a Deus. Agora ele age não apenas de acordo com o início da oração no Getsêmani - "se for possível, afasta de mim este cálice", implorando por misericórdia - mas também de acordo com o fim dela - "contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres" (Mateus, 26, 39) - submetendo-se à vontade do Pai Celestial, ardendo cada vez mais com maior amor por Ele. É assim que nos preparamos para realizações ainda maiores, para mais batalhas com o diabo.

O homem convence-se de que Deus faz toda a guerra contra o inimigo por ele; o que é exigido dele é apenas a compulsão à oração e atenção a ela. Ele se torna cada vez mais consciente da necessidade da atenção diligente à oração, porque os demônios são inimaginavelmente criativos e atacam de ângulos completamente inesperados. Mesmo o que foi entendido até agora como bom acaba por ser uma teia do diabo engenhosamente tecida. Agora o homem ainda mais assiduamente se atém ao Senhor, se abrigando na oração, buscando proteção em Deus.

Assim como o composto de paixões forma uma cadeia, as virtudes formam uma sequência inseparável. Um bom ato envolve toda a cadeia; uma boa ação alimenta e aumenta todas as virtudes. O mesmo acontece com as paixões: a vitória sobre uma faz com que todas se retirem, porque estão conectadas inseparavelmente. Segundo esta lei, as paixões esgotam-se no processo de purificação da mente, as virtudes são reavivadas e fortalecidas, e isso acontece durante todo o processo da oração mental. Aquele que não faz a oração não sabe nada sobre isso.

A graça de Deus, realizando a salvação do homem, oculta dele suas boas ações para que o asceta não pare em seu caminho. A graça suprime as paixões, mostra à mente a insídia dos demônios, restaura as virtudes em sua alma, enquanto permanece escondida tanto daquele que pratica a oração quanto do diabo. Atuando secretamente, a graça pune o lutador espiritual com tristezas no tempo certo, permite que ele cometa pequenos erros, então exige estritamente correção e explica o que aconteceu, ensinando-o a colocar toda a esperança em Deus que salva, e não em si mesmo. Isso continua durante todo o processo de oração mental, do qual o nous se torna mais e mais experiente, preparando-se para aceitar no devido tempo a força e poder que são concedidos por Deus para a vitória sobre o diabo, a carne, o mundo e todo mal, de modo que, a partir de agora, o homem, à semelhança do Senhor, sendo altamente qualificado na guerra contra as tentações, pode ajudar os outros cujas mentes não são muito experimentadas.

Ao fazer a oração mental, um homem deve cortar quaisquer laços pessoais desnecessários e lidar apenas com pessoas com as quais ele está necessariamente conectado. É melhor viver na solidão o máximo possível e guardar seus lábios com um silêncio mais estrito do que durante a fase verbal da oração. Qualquer regra do livro de oração deve ser substituída pela oração mental de Jesus. Quando você está entre as pessoas e a regra é lida por outra pessoa, então você pode envolver sua mente com a oração mental habitual. A moderação deve ser observada em tudo e em todos os lugares; é fundamentalmente importante para essa oração, mas é preciso se acostumar à moderação gradualmente. Coma com moderação e, ao sair da mesa, você deve sentir sempre que poderia ter comido mais, se pudesse. Caso contrário, o estômago pesado o predisporá à sonolência, o olho que vigia a mente se escurecerá e a mente começará a convencer o homem a descansar um pouco.

É natural que a mente esteja livre de tudo que leva o homem à inatividade e à sonolência, daquilo que obstrui sua atenção à sua oração. A sociedade humana precisa ser evitada em um grau mais elevado do que antes, não por causa do desprezo pelos outros, mas por causa do amor a Deus e porque é a maneira mais conveniente de orar. Preocupações sobre assuntos terrenos devem ser diminuídas ainda mais e com rigidez; deve-se estar satisfeito com o que Deus dá e não se entristecer com o que não é dado. Preocupações com as coisas temporais devem ser mínimas, pois aqueles que se preocupam não conhecem a meta e o propósito da vida terrena. O irmão que te faz mal deve ser perdoado, e não se deve devolver o mal pelo mal. Ore pelo irmão - você é culpado diante de Deus também. Entendendo a pecaminosidade que age em seu próprio coração, não caia em desespero, simplesmente chore sobre o que você fez e se arrependa, suspire e se arrependa, destruindo as paixões com a oração de arrependimento. Não julgue as ações dos outros, porque você é infinitamente pecador, e você não viu a totalidade do mal que está em seu próprio coração, onde um ninho de paixões obscenas se esconde, sobre o qual foi dito "Porque do coração procedem os maus pensamentos"(Mt 15,19).

É necessário chorar, para que a alma seja lavada com lágrimas, amargamente lamentando e preocupando-se com o coração pecaminoso que está enraizado no eu orgulhoso. Se não se tem lágrimas escorrendo de seus olhos, deve substituí-las por uma tristeza sincera, suprimindo a atividade das paixões, não cedendo a elas, não executando suas demandas. Prostrações devem ser feitas de acordo com a sua força e deve-se resistir às paixões carnais. Quando você tem vigor e saúde, ou quando as paixões lutam com afinco, então faça mais prostrações, não seja preguiçoso. Quando você é fraco, se condene e fique satisfeito com um número menor de prostrações. Não sacie seu corpo quando ele exige algo; não confie mesmo quando ele revela sua fraqueza para você. Dê atenção a ele com muita cautela; caso contrário, você nunca se livrará de seus pedidos. É melhor não escutar esse inimigo. Dê o que é sabiamente necessário e deixe-o satisfeito com isso. Os Santos Padres dizem que o propósito do corpo nesta vida é desempenhar o papel de servo mudo e surdo que faz o que lhe é dito. Os santos eram muito rigorosos com seus corpos, ouvindo-os muito pouco, sabendo que este templo está ligado à alma apenas para trabalhar no arrependimento e para nada mais.

Julgue-se honestamente. Porque você vê seu coração transbordando de paixões, perceba a si mesmo agora como o pior dos pecadores - este é o julgamento correto sobre você mesmo. Você deve pensar em si mesmo como o mais desprezível  e totalmente inútil, reconhecendo a si mesmo como o mais fraco de todas as pessoas. Você deve ver que todos cumprem o que é destinado a eles por Deus, e somente você não cumpre a vontade de Deus; veja que você peca mesmo quando o próprio Senhor o ajuda a não pecar, e que, além disso, você desfruta do pecado.

É melhor morar em um quarto ou em uma cela sozinho, mantendo-a simples, com um número modesto de coisas, para que você não tenha cuidados desnecessários e preocupações excessivas com a ordem do quarto. Aplique a mesma abordagem à sua roupa e ao resto das coisas que são necessárias na vida. Se o Senhor lhe enviar uma vida que é mais pobre do que a média, aceite a pobreza de Sua mão com gratidão, acreditando que Ele sabe o que é melhor para você. Se a pobreza extrema atingir você, não se incomode com isso, sabendo que nossa riqueza é o Senhor, e tudo o que temos é no Senhor, e devemos estar prontos para desistir de tudo para adquirir Deus, que está perto de nós, porque este é o propósito da vida terrena. É desastroso viver em vão a sua vida terrena, portanto, preocupe-se primeiro e acima de tudo com o arrependimento, que reconcilia você com o Senhor.

A estrutura em sua cama deve estar firme e quente; caso contrário, você pode pegar um resfriado e trazer sofrimento para si mesmo, obstruindo assim o trabalho de oração.

Imagine pessoas do sexo oposto, cujas imagens são lembradas de sua memória pelo diabo, deitadas em um caixão, decompondo-se com muito fedor e fervilhando de vermes. Lembre-se da hora desconhecida de sua própria morte - talvez estes sejam os últimos minutos de sua vida na Terra, após os quais o tormento eterno te espera por todos os seus pecados. Desta forma, todos os pensamentos pecaminosos e desejos apaixonados desaparecerão rapidamente.

Se o mesmo pensamento obsessivo o preocupa sem parar por dois ou três dias, e você não tem uma pessoa experiente por perto com quem possa discutir isso, e você está sofrendo muito em sua luta - então fique na sua cela diante de um ícone, levante seus braços e, em voz alta, diga ao Senhor, que está presente, o pensamento que está atacando você. Acredite firmemente que Deus aceita sua confissão e os truques do diabo vão deixar você porque eles foram expostos diante do Senhor. O diabo é trevas e o mistério da iniquidade; ele só pode agir secretamente e na escuridão até o momento em que ele é revelado. Quando ele é descoberto, e a luz penetra onde ele esteve na escuridão e na astúcia, ele foge sem olhar para trás, queimado pela luz. A revelação de seus pensamentos durante o tempo de confissão a um ancião torna o diabo impotente também. Ele é forçado a partir quando é revelado, especialmente na presença de testemunhas [como um confessor].

Se esta luta não o deixar mesmo após a confissão de seus pensamentos diante de Deus, então participe mais assiduamente e atentamente da oração e saiba que o Senhor deseja ensinar-lhe, através de tal guerra, ainda maior paciência, e Ele prepara você, como um pai prepara um filho, para maiores tentações, para que nessa luta e paciência se consiga a obra de sua salvação. O Senhor, permitindo uma continuação da batalha, afirma e fortalece as vossas virtudes, enquanto as paixões do teu coração se enfraquecem nesta luta. Em todas as circunstâncias, Deus organiza o que é mais útil para você. Você não deve se desesperar ou lamentar excessivamente, mas deve prestar atenção à oração e empreender uma guerra com o pensamento que não o deixa, sabendo que essa ideia que lhe ataca não é sua, mas a do diabo. Isso pode servir como uma espécie de paralelo com a maneira pela qual os demônios atormentarão incessantemente os pecadores no inferno usando suas paixões, estimulando uma após a outra, com a completa incapacidade de se livrarem dos persistentemente insolentes ataques de demônios. Portanto, não se incomode com essa luta permitida, mas sim agradeça a Deus que nos pune na terra, a fim de evitar os tormentos na eternidade.

Apele ao Senhor, implorando-lhe para terminar a batalha e afastar o ataque, como foi descrito acima, o mais raramente possível e apenas em casos extremos de exaustão e desespero, porque a batalha é o destino de um guerreiro e você deve lutar e não fugir da luta. É melhor não ficar desanimado, mas sim assistir à oração e lutar e lutar. Luta traz vitória; através da guerra, alcançamos a virtude e nos aproximamos de Deus, tecendo uma coroa de glória para a cabeça da sabedoria. Não tenha medo de vários pensamentos desordenados, porque na luta com eles o homem é preparado pela graça para uma batalha com sucesso contra tentações ainda maiores, entendendo a força e a glória de Deus, recebendo do Senhor ajuda e paciência nesta luta.

Com ou sem um ancião

Se você tem um pai espiritual, um ancião, então não esconda nada dele, revelando todos os segredos do seu coração para ele. Não se preocupe se ele não é de alto posto ou mesmo se ele não tem nenhum posto na igreja, contanto que ele tenha a verdadeira sabedoria espiritual, que é o fruto de toda a batalha e a coroa da vitória sobre as paixões. Escolha um pai-confessor de acordo com as instruções do seu ancião e pergunte à seu geronda o que e como você deve confessar ao seu pai-confessor. Faça o que seu starets lhe diz, sem violar sua única palavra. Ele sabe melhor do que você o que é benéfico para você; tudo que você precisa fazer é revelar absolutamente tudo para ele. É melhor quando o próprio ancião tem um posto na igreja [como um padre, e é capaz de confessar você].

Se você não tiver um geronda, que o conduz no caminho da oração, mantenha silêncio sobre o seu trabalho entre as pessoas. Prostre-se diante do Senhor, diga a Ele em oração todos os seus segredos e todas as suas tristezas, com a firme fé de que Ele ouve e olha para você, que Ele providenciará o que é útil para você de acordo com sua oração pesarosa. E você apenas ora e ora, atendendo à oração, mas não reclame das tentações que são enviadas para o seu próprio bem. Todos os santos são chamados de lutadores, porque todos eles, enquanto estavam no meio de suas façanhas, lutaram, suportaram tentações e triunfaram com a ajuda da graça, mas tiveram muito mais tentações do que você.

Na ausência de um ancião, escolha um padre confessor, se possível, dentre os monásticos. Se o seu confessor não sabe nada sobre a oração de Jesus, então é melhor não discutir com ele; simplesmente confesse os pecados que sobrecarregam sua alma, e através dele a graça perdoará seus pecados e pacificará sua consciência. Caso contrário, sem conhecer a Oração de Jesus, ele pode prejudicá-lo com suas instruções. É muito difícil de encontrar nos dias de hoje aqueles que conhecem o trabalho da Oração de Jesus a partir de sua própria experiência.

Quando você está confessando lutas com paixões carnais a um sacerdote desconhecido, leve em conta que alguns pais espirituais não conhecem a vida ascética e a batalha com as paixões, e freqüentemente, devido à falta de discernimento, aconselham a abandonar a luta e ir ao mundo para viver uma vida de casado. Eles estão sendo guiados pelas palavras do Apóstolo: "Porque é melhor casar do que abrasar-se" (1 Co 7,9), sem entender que o Apóstolo diz isso àquelas pessoas solteiras que não querem travar a guerra e estão inflamados com paixão. Se você escolheu a vida de batalha com as paixões, então rejeite tal conselho e não visite aquele confessor imprudente na segunda vez. Ele está doente em sua alma ainda mais que os outros. Ele concorda com as paixões, não sabendo que é necessário lutar com elas durante toda a vida, lutando contra os assaltos e também os desejos que inflamam a parte sensível da alma. Conhecemos tais confessores, e é por isso que temos que escrever sobre isso para evitar problemas.

As freiras são compelidas a confessar ao seu padre, e se, do nada, ele aconselhar uma freira a voltar para o mundo e viver uma vida de casado, ela deve revelar isso imediatamente à gerondissa, de quem nada deve ser escondido. É impossível esconder o conselho imprudente do confessor, embora tenha sido dado durante a confissão, porque a freira está conectada com sua alma à alma da gerondissa, e se a freira está em completa obediência a ela, a gerontissa será responsável pela destruição da alma da freira. Ela deve dispensar tal confessor-pai do mosteiro e relatar isso ao bispo, porque ele destrói as almas das irmãs, interferindo no feito da luta com as paixões.

É possível também seguir um caminho alternativo da vida de arrependimento - chamado pelos Santos Padres "o caminho do meio" - e fortemente aprovado por eles. É algo entre a solidão e a vida coenobítica do mosteiro, quando duas ou três pessoas que pensam da mesma maneira se reúnem, que têm as mesmas idéias e desejos sobre o caminho da vida de arrependimento e o cumprimento da Oração. É muito difícil encontrar pessoas tão bem-intencionadas e simples nos dias de hoje, que são um-em-mente. Eles devem renunciar a vontade própria, cortando seus desejos diante um do outro. Confusões, tentações e dúvidas devem ser resolvidas em um conselho comum, de acordo com as instruções dos Santos Padres. Seus líderes devem ser apenas Deus e os Santos Pais. No entanto, o caminho mais seguro de arrependimento e oração é viver com um ancião, um staretz que prevenirá todos os perigos, instruindo o discípulo sobre o que fazer em cada caso. É imperativo que o ancião compreenda verdadeiramente a vida espiritual e seja conhecido pela ortodoxia de sua fé.

É igualmente importante, no trabalho mental da Oração de Jesus, conhecer o lugar onde a atenção da mente se estabelece durante a Oração. Alguns Santos Padres, homens de oração e trabalhadores da santa vigilância, indicam, e a experiência daqueles que fazem autenticam, que é conveniente para os novatos fazerem a Oração onde ela ocorre naturalmente, isto é, onde o homem tem o órgão da fala, ou seja, na garganta onde a comida é ingerida. Aqui, na base do pescoço, e não em qualquer outro lugar, tente ficar atento, envolvendo diligentemente a mente nas palavras da Oração, enquanto sua mente não foi aquecida pela resposta do coração, enquanto a Oração ainda não foi colorida pela compaixão do coração.

Não dirija sua atenção para sua cabeça, estômago, intestinos ou a área dos órgãos sexuais, o que é especialmente desastroso, mas mantenha sua mente com toda sua atenção no local indicado, permaneça lá e não se desvie para lugar algum. Não force a si mesmo a se mover com sua atenção para o coração - isso ocorre naturalmente mais tarde, durante o estágio de oração mental-cardíaca, quando o coração ora junto com a mente. Nós falaremos sobre o coração no tempo certo depois; por enquanto, até aquele momento, no futuro, esteja atento com sua mente nas palavras da oração e fixe-se na parte superior do peito, perto da base do pescoço.

O impacto das paixões aumenta substancialmente durante o estágio mental da oração. Satanás agita as paixões, que ele mantém em suas mãos como uma arma contra um homem, mas a mente, com sua atenção aguçada, cada vez mais clara, sente o tumulto das paixões induzidas. O homem, vendo os ataques dos demônios destruidores da alma, entende tristemente que se a Oração o deixar, sua alma será levada viva para o Hades, e é por isso que ele se atém ainda mais assiduamente à oração, esconde sua mente contra os adversários e com a ajuda do Senhor evita as revoltas das paixões, fugindo dos truques que o diabo estabelece.

As questões mais importantes durante o trabalho da oração mental foram descritas aqui. Não se desespere, faça a Oração. Permaneça com sua atenção diante de Deus, como indicado anteriormente, e se preocupe apenas com isso. Seu coração não está purificado das paixões ainda, e a mente não está livre das trevas; você não tem a oportunidade de se aproximar daqueles que habitam no céu, e é por isso que nem os anjos, nem os santos de Deus podem aparecer visivelmente para você. Não importa o quão puro e santo algo pareça a você, afaste de você e não consinta com nada, então você evitará qualquer engano demoníaco com a ajuda da graça. Não importa o que você encontre - não aceite, mas, como foi dito anteriormente, permaneça em Oração e guarde à Oração, afastando qualquer mal com isso. Mantenha a oração preciosa. O fruto da oração mental pode ser a purificação da mente, uma visão dos pecados em seu coração, arrependimento e pranto do coração e restauração das virtudes.

Monasticismo ou vida no mundo - não importa no trabalho de oração. Não é importante se você é um monge, um noviço ou um homem simples no mundo - o importante é que o ambiente e o entorno não interfiram com a realização da Oração, não obstruam a criação do monaquismo interior.


  • Oração mental-cardíaca ativa

Nível Ativo

Um homem então ascende ao nível seguinte e adquire a oração mental-cardíaca ativa. É chamado de mental-cardíaca porque o coração ora com a mente nele. Isto é, todo o homem interior ora. Chama-se ativa porque a vontade do homem ainda funciona dentro dele, manifestada por seus desejos e ações. O homem ainda não entrou na plenitude do cumprimento da vontade de Deus, e realiza a vontade de Deus apenas parcialmente, enquanto em outras coisas ele faz o que quer, executando sua própria vontade. A pureza da mente ainda não foi alcançada.

Assim como durante o estágio verbal ou vocal da Oração, quando a mente ouve as palavras e gradualmente mergulha na Oração e adquire o hábito dela, assim é durante a oração mental. Quando se enraíza na mente, então, em resposta ao trabalho mental, o coração começa a aquecer. Em outras palavras, quando a mente está constantemente ocupada com a Oração e o homem se comprometeu toda a sua vida a esse trabalho, então os sentidos internos começam a se sintonizar com a Oração e a submergir nela, co-participando com a mente na atividade de oração, e, sendo aprisionado pelo nome de Deus, não distrai a mente de orar mais. E o coração começa a responder simpaticamente a ela, em uníssono com a mente.

Satanás e seus demônios se aproximam da alma, excitam as paixões que habitam no coração do homem velho, ainda voluntarioso, e tentam possuí-la, estabelecendo-se sobre vaidade humana orgulhosa. Um grande templo de paixões é construído no fundo de um coração farisaico, mas esta fortaleza até agora indestrutível, começa a desmoronar agora sob o impacto da oração mental. Satanás não fica indiferente a ver a destruição deste templo do pecado. Cada momento ele surge com mais e mais novos métodos de agressão, e a graça, em prol da instrução do homem, permite que ele seja tentado. As paixões perdem sua potência, e Satanás em desespero tenta assustar o praticante da oração por meio de sua imaginação, aparecendo para ele em visões monstruosas, desejando separar o homem da oração para sempre, ou pelo menos por algum tempo, ou pelo menos por um minuto.

Quando o coração do homem começa a participar da Oração, Satanás, entendendo as limitações de seu acesso à alma, fica furioso e range os dentes porque sabe muito bem que o homem pode orar com seu coração, e isso é o que ele mais teme. Se o coração se une à mente ao fazer a Oração, então a batalha contra o homem através das paixões se torna muito difícil para Satanás, porque agora a mente age forte e poderosamente com a coparticipação do coração, destruindo todos os ataques dos inimigos com a ajuda da graça. A mente atenta desce agora para as fundações do pecado, para as raízes do mal, e através disso uma ferida mortal é infligida na cabeça do diabo. Pela ação da graça, as raízes do mal são expulsas do coração. E se o coração não tem mais mal, então o diabo com seus demônios ficam desarmados. Mas enquanto as paixões estão aninhadas no coração, o diabo guia a mente e suprime a alma com suas virtudes. O coração do homem é chamado a ser a morada de Deus, mas, enquanto está subjugado pelas paixões, o Senhor permanece nele secretamente, sem ser totalmente entronizado.

Quando a limpeza do coração começa, o diabo, perdendo sua influência sobre o homem, torna-se particularmente sofisticado em todas as tentações imagináveis. Apesar de sofrer uma ferida mortal, ele ainda tenta lutar e joga as flechas de fogo de pensamentos apaixonados, tentando ferir o coração e inflamar o fogo nele. Tornando-se rancoroso e levantando-se para uma guerra ainda mais atroz, o diabo envia mais e mais novos ataques, mas ao fazê-lo ele involuntariamente revela cada vez mais, para sua própria derrota, as raízes misteriosas das paixões. Um nous experiente e atento, apoiado pela graça, a partir de agora entra nas artimanhas mais intricadas do diabo. No entanto, as raízes do mal, descobertas pelo olho do nous, não desaparecem por si mesmas; é necessário um feito contínuo do trabalho de arrependimento, afirmado pelo gracioso fortalecimento do espírito pela comunhão dos Santos Mistérios de Cristo.

Este é o momento em que a graça às vezes concede à mente a capacidade de ver não apenas as raízes das paixões, mas também aqueles que trabalham através delas - o próprio diabo e seus demônios. Este período de tempo pode ser o mais doloroso em todo o caminho do arrependimento. O peso do sofrimento durante este período pode ser comparado com os tormentos do inferno; aqui, as palavras "levadas para o céu e lançadas ao inferno" são relevantes. Satanás furioso, perdendo seu acesso à alma, pode agir através de imagens sensuais, aproximando-se tanto da esquerda quanto da direita. O praticante da oração mental-cardíaca pode se tornar alvo de um ataque de várias criaturas animalescas e monstros inimagináveis, que atacam sozinhos ou em multidão com o único objetivo - paralisar com medo e distrair da oração. A fim de sobreviver a esta luta, aquele que ora deve lutar contra essas tentações, apegando-se com todas as suas forças ao seu trabalho mental-cardíaco, e a graça o ajudará. Assim, a grande experiência de luta é adquirida.

Tendo falhado em seus ataques do lado esquerdo, quando ele apareceu em imagens aterrorizantes, o diabo começa a tentar a partir da direita apresentando-se em visões de beleza e santidade. É mais difícil distinguir essas tentações. Neste estágio, alguns lutadores, que abandonaram a oração atenta, recebem feridas profundas ou sofrem um completo desastre. No entanto, aqueles que evitaram essa tentação com sucesso são aqueles que não tomaram conhecimento de nenhuma imagem visível, mas mentalmente conversaram com Cristo com uma firme crença em Sua presença, invisível e inimaginável. Aquele que se lembra de não poder ver o Senhor, a Theotokos, os anjos e santos com visão corpórea manchada de paixões, permanece na luta; ele lembra que as manifestações celestes são concedidas exclusivamente àqueles guerreiros que são puros de coração. A santidade não aparece visivelmente para um pecador.

Satã pode assumir a imagem de Cristo, imitando a maneira como o Salvador é representado nos ícones. Satã pode retratar o ícone como se ganhasse vida e o Pantocrator, pronto a abençoar, como se dele saísse, ou fazer com que o ícone se mova em sua direção, aumentando de tamanho. Pode-se ver a luz de um ícone ou alguns santos celestiais, ouvir vozes ou cantar, como se fosse de anjos ou algo nesse sentido. Um homem que ainda é dedicado a uma existência apaixonada acha difícil distinguir a realidade ou falsidade disso. Satanás faz isso para que o homem que ora, levado pelos sonhos, se curve a ele, o diabo, que apareceu em uma das imagens. Alguns homens fizeram isso e, conseqüentemente, a mente deles foi danificada e eles caíram em imbecilidade mental. No entanto, aquele que conhece o alto preço do perdão dos pecados, que conhece sua própria indignidade, esse homem guarda à oração apenas. Só ele, que nunca confia em seus sentimentos, sobrevive às tentações sem um único desastre. Sabei, irmão e irmã, que fazendo isso durante o seu arrependimento, você pode alcançar a graça da vitória, compreender a vontade de Deus, cumpri-la completamente e salvar a si mesmo.

Um homem, orando em sua mente e coração, recebe do Senhor uma misericórdia que se revela no fato de que a ação da oração se torna mais refinada, sua mente se liberta das trevas, e seu coração, arrependido, limpa-se cada vez mais das paixões e pecados. No entanto, a Oração ainda permanece ativa, isto é, embora o homem lute com o diabo, seus demônios e paixões, entregando-se à vontade de Deus, esta entrega a Deus ainda permanece parcial. Este sentimento [de rendição] ainda não conquistou o coração completamente, não se tornou parte do coração, e tudo isso porque o pecado ainda está enraizado na alma, o egoísmo - a raiz de todas as raízes - está estabelecido na fundação do coração.

O homem sofre e luta dessa maneira e não abandona a luta dia e noite. Tentações sem fim trazem a mente a uma ira natural contra as paixões. A mente, agitada contra o mal, está cheia com o mais forte desejo de não pecar mais, e é por isso que procura com especial diligência onde quer que as paixões surgem e imediatamente as mata com a Oração. A graça ajuda perpetuamente, permanecendo despercebida e invisível para a mente. Finalmente, graças à atenção incessante, a mente revela a raiz das raízes, a causa de todos os males - o orgulho.

Tão logo a raiz do mal é revelada, com a ajuda de Deus, toda a batalha é travada contra o orgulho, que pode eventualmente ser expulso da alma com a força da graça. Juntamente com a expulsão dessa paixão enraizada, o coração finalmente se livra de todas as paixões. Nesta grande batalha, a morada do mal, juntamente com o seu fundamento - o orgulho - é aniquilado. O diabo fica desarmado; ele não pode mais enganar o homem, não há nada para esconder sua astúcia e mentiras. O diabo não pode se esconder sob o véu das paixões; ele pode ser visto de todos os ângulos e está sob uma luz brilhante, mas ele não pode suportar a luz, porque o diabo é a escuridão.

O diabo furioso se prepara para uma luta cara-a-cara, para a batalha final. E ele aparece para o homem de oração em uma visão totalmente horripilante, como ele é visto no inferno, com Judas, o traidor, de joelhos. Essa visão do inferno é grande e aterrorizante. No entanto, Satanás, tendo vindo das chamas do Hades para a última luta, vê sua impotência. O homem que ora desta vez também não distrai sua mente da Oração, destruindo o inimigo com o nome mais doce de nosso Senhor Jesus Cristo. Satanás fica amedrontado, começa a tremer, vacilando, e depois parte e desaparece, abandonando completamente o campo de batalha, porque se torna nada diante do nome de Deus nos lábios do atleta espiritual. É assim que a mente é limpa do escurecimento, o coração e a alma das paixões, do pecado e da dependência demoníaca. É quando a vontade de Deus começa a agir completamente na vida humana.

A última tentação foi permitida pelo Senhor para que Satanás se envergonhasse até o fim e que o atleta se tornasse habilidoso em todas as tentações que chegam àquele que está orando. De agora em diante, a graça prevalece completamente sobre o coração purificado. A mente desce ao coração completamente, e o próprio Senhor, residindo no coração secretamente até este ponto, começa a habitar abertamente e com a plena autoridade neste abrigo que foi destinado a Ele desde o princípio, e repousa lá em Seu trono.

Depois que o próprio Senhor traz a mente para as profundezas do coração, o homem está preparado para subir ao estágio da oração auto-movente. Ele não precisa mais de instrutores, porque o Senhor está com ele. Agora os desejos e ações humanas coincidem com a santa vontade de Deus. Com a entrada da mente no coração, o homem recebe uma visão da verdade: ele adquiriu autoconhecimento autêntico, a compreensão da essência das Escrituras Sagradas tornou-se acessível a ele e ele sente a necessidade natural de compartilhar com aqueles que estão perto dele, por amor a eles, o que é revelado a ele. No entanto, de agora em diante, ele é obrigado a preservar o silêncio com um cuidado especial entre as pessoas e, com todas as suas forças, preservar a quietude que habita em seu coração. Se alguém tem um anicão iluminado ou alguém experiente no trabalho mental, então é proveitoso conversar com ele, mantendo uma atitude respeitosa. É proveitoso ouvir as pessoas cuja palavra é preenchida com a experiência da sabedoria espiritual, que são os verdadeiros teólogos em seu conhecimento e, portanto, são uma luz para o mundo.

A oração neste estágio da luta passa para o próximo estágio e, de ativa, torna-se auto-movente. É aí que reside a fronteira entre os dois períodos principais da vida do atleta espiritual. O estágio ativo de limpeza está agora terminando e o novo período de iluminação da mente começa - o estágio contemplativo. É assim que o caminho do trabalho arrependido, o caminho da luta da mente carnal, adquire o Espírito Santo. Este é apenas o começo da vida verdadeiramente espiritual.

Doravante, a oração penetra as profundezas do coração, e o homem ora com o coração de agora em diante, movido pelo Espírito Santo, diante de Deus com seu nous em seu coração. O diabo, desarmado e desgraçado, não ataca mais o próprio homem, mas começa a agir através de outras pessoas, fomentando a inveja e o ódio nelas. Agora as pessoas começam a perseguir o verdadeiro seguidor de Cristo, fazendo todos os tipos de coisas repulsivas para ele.

Esta é a ordem geral da luta. No entanto, vamos retornar à oração ativa.

Dentro das forças humanas

E assim o homem, tendo discernido no coração a raiz dominante do mal - orgulho - se ergue contra ele com toda a sua força. Notemos que tal atleta espiritual não pode ser um homem voluntarioso, porque seu coração é purificado pelo Senhor por guardar Sua vontade e por constante lembrança orante a Ele. Ele, que tem um coração puro, aprendeu a guardar a vontade de Deus; ele entendeu completamente. A vontade de Deus foi recebida do Senhor pelo homem de grande virtude, que não pode ser comparada com qualquer outra coisa - é uma sensação de oração que habita no coração e é movida pelo Espírito Santo.

Entre as virtudes verdadeiramente espirituais adquiridas durante a purificação do coração, a humildade é a mais elevada e é chamada de sabedoria humilde. Em sua essência, a humildade é o verdadeiro autoconhecimento que nasce no sofrimento das tristezas em meio a fracassos e impotência, quando o homem entende o verdadeiro nada do seu próprio "eu" na luta contra o mal. O que até então se chamava humildade era apenas um protótipo disso, algum tipo de imitação que não tem relação com o autoconhecimento e era relativamente inútil.

O que distingue a oração mental-cardíaca ativa da oração mental é o caráter das tentações anteriormente descritas que acompanham o fazer da Oração. O atributo especial da oração mental-cardíaca é a atenção imperturbada e a empatia emocional com as palavras de oração. Agora, a Oração não precisa de um número de repetições, mas de um foco, de modo a revelar mais convenientemente as hordas de demônios e suas astúcias.

Ao passar pelo estágio mental-cardíaco ativo, o homem de oração começa a experimentar a participação do coração no trabalho do nous. O coração sente as palavras de oração e responde a elas com simpatia. Essa resposta sensual aparece naturalmente na profundidade do peito, na região do coração. A atenção está sendo atraída para este lugar em si, e é mais fácil mantê-la lá. A partir de agora, a mente, guardando a oração, deve estabelecer-se na parte superior do coração, na entrada do coração. Isto foi recebido através da experiência, e todos os Pais falam sobre isso também. Quanto à conexão graciosa do nous com o coração, como já foi explicado, a própria graça leva a mente que ora às profundezas do coração. Isso ocorre apenas no momento certo, e não antes que o coração seja purificado das paixões.

Você, o praticante desta sagrada Oração de Jesus, deve levar em conta o seguinte: com toda a sua diligência, mantenha sua atenção somente lá, no alto de seu coração, porque se você permitir que sua mente se maravilhe com outras partes de seu ser, então você criará dentro de si muita tristeza e não terá nenhum proveito. Agindo de acordo com este método, você encontrará o caminho mais curto para a entrada graciosa do nous nas profundezas do coração, para que você possa com toda a sua alma glorificar o Senhor orando incessantemente, "adorando o Senhor em espírito e em verdade". (João, 4, 24). Evite por todos os meios manter sua atenção em sua cabeça, ou na profundidade de sua barriga ou rins, pois isso é bastante problemático. Posicione sua mente sempre como você foi instruído.

Os Santos Padres não dizem mais nada sobre o lugar onde a atenção deve ser posicionada. Eles escreveram principalmente de maneira mística e concisa, porque durante suas vidas havia muitos trabalhadores no campo deste trabalho sagrado e não havia necessidade de descrições detalhadas. Os Padres dizem que o portal para as profundezas do espírito é mostrado pelo próprio Senhor e que isso acontece somente após a purificação do coração. Ele une o coração com a mente e habita com a oração no coração, porque o nome do Senhor é inseparável do próprio Senhor. Que nenhum homem se atreva a inventar maneiras de entrar nas profundezas do coração antes da purificação ou catarse. Ele será envergonhado. Não há outra maneira, exceto a que foi descrita.

O praticante da Oração, até atingir a pureza do coração, não deve levar em consideração as sensações físicas: calor no corpo e no peito, queimação ou alguma excitação dentro do corpo ou sob a pele. Tudo isso deve ser rejeitado, sem atribuir qualquer importância a eles. Esse calor tem uma origem sensual e criada. Esses fenômenos são predominantemente orgânicos-neurológicos, portanto inocentes, mas se você os toma por graça, então você cairá em engano demoníaco.

Se você sentir doçura em sua garganta, ou algum cheiro perfumado, ou algo ao longo destas linhas, essa é a ação de um dos cinco sentidos externos. Não focalize sua atenção em nada sensual; afaste-se desses. Conheça apenas a oração; tome cuidado apenas da atenção. A oração contém tudo o que você precisa, e leva você àquilo que “o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam” (1 Cor. 2, 9 ). Quando o Senhor purifica o coração, então Deus começa a habitar ali e a agir, e na graça do Senhor, dons e todas as coisas possíveis são abundantes. O Senhor, tendo-se dado a um homem, concede-lhe tudo o que é Dele.

Deus dá ao homem um reavivamento das virtudes, fortalecendo-as no coração  - é isso que aquele que ora deve admirar, e não algo que capte sua imaginação. Até que a purificação tenha ocorrido, mesmo que a graça o impacte, então trata-se da graça que o desperta da hibernação pecaminosa; em seguida, a graça que instrui e ensina começa a operar.  Isto é, tal graça que conduz a mente do homem na obra da salvação, ensina-o, aperfeiçoando-o no atento cumprimento da Oração, em humilde devoção à vontade de Deus, nos meandros da luta pela obtenção de virtudes, no conhecimento de sua insignificância e pecaminosidade. E não de outra maneira.

Todas as pessoas que se consideram dignas dos dons da graça, que esperam recompensas, visões e milagres, acabam na teia do inimigo. Todos os que andam na sincera compreensão de seus pecados, suas fraquezas, seu nada e indignidade, confiando somente em Deus, que por causa de Seu amor tem piedade deles porque estes indignos estão se arrependendo, seguramente chegam ao porto. Eles, aprendendo a fazer a vontade de Deus, vivem de acordo com ela e cumprem os desejos do Senhor como se fossem seus, pois ambos coincidem totalmente.

Portanto, você não deve se focar em tudo que acontece com você durante o tempo de oração, sejam tentações boas ou ruins ou algo que pareça estar cheio de graça. Coloque toda a sua esperança no próprio Senhor - Ele mesmo trabalha com Sua graça em sua oração. Dedique-se exclusivamente à oração, porque ela oculta todos os dons e milagres possíveis. Diligentemente guardando a oração, você anda com o Senhor; mas se você seguir outra coisa, mesmo que pareça cheio de graça, você abandona Deus. No entanto, todos vocês estão no Senhor e cada minuto passado fora da memória de Deus é uma perda para você.

Mantenha seus lábios em silêncio durante o estágio da oração mental-cardíaca ativa, ainda mais rigoroso do que durante a oração mental. Abstenha-se de alimentos a ponto de ter o suficiente apenas para permanecer vivo. Durma de seis a sete horas, se a Oração não exigir menos; e se você estiver exausto, durma oito horas. Não insulte ninguém, perdoe a todos e lembre-se da morte e dos tormentos do inferno sempre que puder. Você deve viver com a menor necessidade durante esse período, fazer tudo sozinho e não depender de ninguém.Agradeça a Deus por tudo e exercite completa moderação em todas as coisas. Lute contra o desânimo com a oração e o trabalho manual.

[Se você é um monge:] É mais conveniente passar por estes três estágios - verbal, mental e mental-cardíaco ativo - enquanto estiver na posição inferior, como um noviço. Embora seja possível tonsurar aquele que dominou a oração mental e elevar ao esquema aquele que alcançou a oração mental-cardíaca, ainda assim, como foi dito antes, é mais pacífico permanecer durante este tempo na posição de um noviço.

É melhor confessar e comungar com frequência, mas não se aflija se isso acontecer raramente. Não abandone a oração atenta, e seu compromisso será percebido pelo Senhor como a própria Eucaristia. A Theotokos não comungou sequer uma única vez antes de alcançar a plenitude da pureza e se tornou a Mãe do Filho de Deus, por meio da oração mental. O Mistério da Santa Eucaristia ainda não havia sido estabelecido. A preciosidade da Eucaristia não depende da freqüência ou da raridade, mas do tremor que sentimos diante da santidade e da compreensão de nossa própria indignidade. Aqueles que partiram para o deserto não viram uma única face humana e, com raras exceções, não participaram da Sagrada Eucaristia, mas foram justamente aqueles "dos quais o mundo não era digno" (Hb 11, 38), que eram grandes aos olhos de Deus, e não aqueles que comungavam com frequência. Lembre-se do amor de Deus por você e observe a Eucaristia com dignidade. Não imite Judas, o traidor. Satanás entrou nele ao mesmo tempo que a Comunhão [na Última Ceia] e ele comungou da condenação pessoal sem fim.

A comunhão só é possível com um padre ortodoxo. Não recomendo comungar com demasiada frequência, porque o homem perde a piedade diante do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo.

Que os ataques das paixões carnais não te assustem. Eles acontecem também com um corpo fraco, porque a paixão funciona como um parasita, alimentando-se de nossa essência natural, e é por isso que ela não se enfraquece com a idade, e não é surpreendente combater essa luta até o leito de morte. Se a polução da noite ocorre com você, então julgue se você já tinha alguma inclinação antes de dormir, se você gostou da impureza, ou se você se lamenta por causa dela. Se você se sentir culpado de voluptuosidade, corrija-se imediatamente. E se você não tem acordo com a paixão e você odeia sujeira, então não se aflija
- o Senhor perceberá esse insulto que foi causado pelo diabo e pela natureza, como um ato heróico. Tendo se poluído em um sonho, acorde e leia "Regra contra a Impureza" (é publicado em algumas Regras de Oração e Livros de Oração) e, dependendo da sua força, faça uma série de prostrações, julgando-se afogado em paixões, cativo das paixões mesmo durante o sono.

Quando tal tristeza acontece com você, mesmo freqüentemente, mas sem sua predisposição, isto é, se você, enquanto adormecia, estava orando e não exercitando sua mente em pensamentos apaixonados, então, tendo lido a "Regra contra a Impureza", não fique triste  - isso aconteceu com você devido a inveja do diabo, que despertou a paixão. Não pense sobre isso o dia todo para não contaminar a mente e exercite-se na Oração como de costume.

No geral, faça uma guerra contra todas as paixões, escondendo-se com sua mente em oração atenta, e lute e lute. Leia os livros pertinentes ao seu trabalho. Os melhores são: a "Filocalia", João da Escada, "Guerra Invisível", Isaac da Síria, Paisius Velichkovsky e outros santos padres noéticos, especialmente o quinto volume da "Filocalia".

Não ignore as instruções neste pequeno trabalho [que você está lendo agora] também. Contém a quintessência da experiência que foi adquirida ao longo do caminho indicado pelos Santos Padres - pode servir-lhe, na ausência de [outros] livros, como uma instrução suficiente para fazer a Oração de Jesus, mental e espiritual. Ponha de lado e não leia outros livros e ficção, de modo que em sua mente você estará apenas em oração e nas coisas pertinentes a ela. Organize sua vida de modo a praticar a oração de acordo com tudo mencionado acima.

Tudo o que foi declarado até este ponto pertence à Oração dentro dos limites de nossas capacidades humanas. A passagem da oração verbal, mental e mental-cardíaca ativa é feita pelo “velho homem”. Esse é o período do trabalho mental quando a oração é feita pelo esforço humano. Somente no estágio seguinte o cumprimento completo da vontade de Deus é alcançado e a oração torna-se movida pelo Espírito Santo.

Repitamos que durante este trabalho mental, durante todo o período ativo, o homem precisa de um esforço constante para adquirir o hábito e uma atenção permanente à oração. É melhor passar tempo em solidão, guardar seus lábios em silêncio e, se necessário, falar apenas sobre assuntos úteis - morte, inferno, tormentos e o sofrimento de pecadores impenitentes. Em momentos de grande tristeza, você pode recordar o céu, a bem-aventurança dos justos, pela qual você sofre tribulações em um mundo cheio de tristezas. Aguente com paciência, pelo bem do Reino de Deus e da vida eterna, censuras e de todo tipo de abuso. Suporte tudo sem reclamar: fome, frio, nudez, espera, tentações, doenças, maus-tratos, toda tristeza e todo fardo. Seja moderado em sua comida, ou ela vai cansar você com peso. Sempre tenha sede e fome em prol da verdade. Para fazer isso, saia da mesa quando você não tiver comido e bebido o suficiente, quando ainda sentir necessidade de comer e beber mais. Então a fome e a sede entre as refeições serão constantes.

Comece tudo com uma boa consciência e fique no meio da estrada, isto é, não corra muito à frente e não fique para trás. Leia livros que beneficiam a alma durante seu tempo livre, ou quando a mente se cansa da tensão da oração. Evite de todas as formas os lugares onde você não recebe nenhum proveito para a sua salvação. Aqueles que vivem sob um pai espiritual ou em um mosteiro devem cortar sua vontade e cumprir toda obediência; isto é "acima do jejum e da oração". Não inicie as ações ascéticas para as quais você não é chamado pelo Senhor. Tudo o que é necessário em todas as etapas da oração está descrito aqui. Com zelo, apegue-se à oração e a tudo o que foi dito aqui.

Tendo começado a fazer a Oração de Jesus, o homem se submete à orientação do Senhor e o próprio Deus conduz essas pessoas. Andar pelo outro caminho, em seu próprio caminho, é completamente infrutífero, pois o arrependimento sem o Senhor é impossível. Não se desespere com os fracassos, abandone-se à vontade de Deus e, ao fazer isso, você colherá o fruto do sucesso dentro de seus fracassos. Alimente sua imaginação com a imagem de si mesmo sendo colocado em um caixão, e seu corpo, cujo cuidado devorou tanto tempo, repleto de vermes. Perdoe todos os insultos e ofensas das pessoas próximas a você. Julgue só você, mas não os outros. Somente aquele, que anteriormente condenou-se adequadamente, pode julgar as questões dos outros.

Não finja ser um homem sábio em oração; leia com atenção e com clareza, e tenha a crença de uma criança que o Senhor está próximo e ouve as palavras da sua oração. Não fique desanimado com fracassos. Não entretenha os pensamentos de que você alcançará certas coisas em um determinado momento. Tais assuntos estão nas mãos de Deus. Ele dá dons quando nos tornamos dignos, através da execução da Sua vontade, e quando podemos realmente aceitá-los, porque de outra forma o vinho novo será derramado de nossos vasos antigos. Deus concede dons não antes da realização do correspondente fundamento de oração, e requer de nós constante autocondenação. Seu trabalho é forçar-se sempre, entregando-se à vontade de Deus que pensa em nós e, sendo paciente, esperando, por todos os meios, não abandone a Oração.

Não deixe seus cinco sentidos externos livres - visão, audição, paladar, tato, olfato - suprima eles por todos os meios, para que estes condutores do mal no coração, que levam o nous para longe da oração e seduzem para o exterior, não se tornem poderosos mestres sobre você, excitando-o com o que foi aceito devido ao trabalho traiçoeiro deles. Os pensamentos que vêm do coração devem ser evitados, destruindo-os contra a pedra do nome de Deus em sua oração. Seja sempre atento, sóbrio e vigilante, guardando seus sentidos. Organize tudo de tal maneira que nada em sua cela o entretenha, de modo que tudo seja propício para recolher sua mente. Se você cair, isto é, se você esquecer da oração e se divertir com um pensamento, então levante-se. Lembre-se da Oração, recite e esteja em sintonia com ela. E toda vez que você se lembrar da Oração depois de cair, comece de novo e ouça, para que a oração ressoe em sua mente e coração.

No lugar secreto do coração

Tudo o que é necessário para orientação nesses estágios de oração é descrito aqui com detalhes e simplicidade. Não é fácil encontrar tal descrição, e isso foi a maior tristeza para mim em minha própria fraqueza no trabalho de oração. Os antigos Santos Padres escreveram acerca da oração mental; no entanto, ao revelarem as coisas necessárias, esconderam-nas de imediato, falando delas de maneira indireta, encorajando, por suas sugestões, a que as pessoas fizessem perguntas. Os iniciantes apelavam para seus muitos anciões com perguntas, e eles explicavam, ajudando a resolver quaisquer problemas. O homem que está ocupado com o trabalho mental encontra inúmeras dúvidas e tentações. Ele não consegue entender completamente o que é dito de forma breve e misteriosa nos escritos. Os Santos Padres tinham mentes perfeitas, e aquilo que causa perplexidade em nós era bastante claro para eles, e é por isso que eles não escreveram muito sobre isso. Como havia muitos praticantes, sempre havia alguém para explicar os detalhes àqueles que precisavam.

Aqui eu dei o ensinamento dos Padres, em detalhe, sem qualquer ocultação, para o bem daqueles que estão orando. Pessoas experientes são bastante raras; quase inexistentes são aqueles que conhecem o trabalho mental que é a salvação para o homem através da consciência de sua pecaminosidade e fraqueza, através do choro e purificação do coração. É por isso que é muito necessário agora resolver as questões da mente em busca, para que as almas tristes e desanimadas dos buscadores não caiam em desespero.

O período de oração ativa, o tempo de auto-coerção, não pode ser definido por anos ou décadas. O tempo depende da diligência do homem, do modo de vida antes da Oração, do grau de dureza do coração, da teimosia no amor-próprio e das paixões, e em tais causas como rapidez ou lentidão em romper os laços com o mundo, e no zelo pelo qual status, propriedade e dinheiro são abandonados. Mas sob todas as condições, a lei para todos é a mesma - faça a oração repetidamente, seguindo o que é dito aqui. Nunca o abandone em nenhuma circunstância.

Nunca se gabe do que você está fazendo, e não fale sobre isso com ninguém, exceto ao seu ancião. Isso é feito no esconderijo do seu coração e não para merecer elogios. É necessário, com a ajuda da graça, livrar-se das paixões, do pecado e do diabo. Você, o pecador, precisa orar não pela auto-elevação, não para falar sobre, não por louvor, mas para receber a pureza do coração através da ajuda da graça.

Não tenha uma regra grande, mas tenha como Regra a "Regra sem fim", que é a oração constante. Faça a Regra regular da seguinte maneira: leia as orações da noite à noite, da manhã - de manhã, depois akathistes, cânones, kathismas e tudo o mais que você puder. É necessário ler um capítulo do Novo Testamento e das Cartas dos Apóstolos; depois disso, faça quinhentas orações de Jesus à noite e pela manhã. E quando você tiver coisas que não podem ser adiadas, peça o perdão do Senhor, condene-se, suspire profundamente e, sem confusão, execute as tarefas com a Oração de Jesus, substituindo-a pela Regra comum. A Regra lida a partir dos livros pode ser diminuída, e o número de orações de Jesus pode ser aumentado à medida que você se acostuma, porque a Oração de Jesus gradualmente toma a mente como refém e não a abandona facilmente. Você deve passar o tempo entre a noite e a regra da manhã na Oração de Jesus.

Não faça promessas se ninguém o obriga, porque falhar em mantê-las traz confusão, e se você as mantiver, você não pode escapar do autoelogio ou mesmo do orgulho. Esse é um bom caminho: não prometa, mas tudo o que é necessário mantenha com a ajuda de Deus. Não acumule Regras de Oração com a atitude de "eu certamente as guardarei". Muitas coisas acontecem na vida de um homem, e manter a Regra nem sempre é possível e o benefício é perdido quando a promessa de manter a Regra é quebrada. É melhor manter o seguinte nesta questão: determinar por si mesmo uma regra de uma hora e meia, ou duas a três horas ou mais, dependendo das oportunidades, e mantê-la sem promessas especiais, sem quebrá-la, com as excepção das circunstâncias mais inevitáveis.

Não fique muito desanimado porque você está perplexo; ore, e o Senhor mostrará o caminho através da voz da consciência, ou através dos escritos dos Padres que foram inspirados por Deus, ou através da Sagrada Escritura. Faça tudo de tal maneira que não vá contra a vontade de Deus, que é evidente na lei de Deus, que foi dada para nos guiar.

Em relação aos escritos dos Santos Padres noéticos sobre a arte de Oração de Jesus: suas instruções sobre como entrar no coração com a mente por meio da respiração, curvando a cabeça e sentando em uma cadeira baixa, sobre a tensão dos músculos a fim de ajudar na atenção foram dadas com a finalidade de ajudar a procurar o lugar do coração. Faça o que foi descrito neste livro repetidamente, de forma simples e breve. Faça isso e você não cometerá um erro. Os próprios sentimentos do coração atrairão a atenção da mente para o lugar do coração.

Não se preocupe em entrar nas profundezas do coração; apenas faça a Oração, lutando com as paixões. O próprio Senhor leva a mente e a oração para o coração purificado, porque o coração é a morada de Deus e somente o Senhor conhece o caminho para ele. Enquanto o coração está fervendo de paixões, a mente não pode ser levada até lá e é inútil a Oração estar lá. No entanto, quando o velho homem é destruído, a mente e a oração habitam no coração, e o próprio Senhor também, porque a Oração contém o nome de Deus e onde está Seu santo nome, o próprio Senhor está com Sua graça. Certifique-se de entender isso sobre o coração e o caminho para o coração.

Você, o praticante da oração, permaneça na simplicidade e não se deixe enganar pelo excesso de confiança. O Senhor ouve sua oração; acredite nisso e ore. Não deixe que pensamentos desnorteados o distraiam, evite tudo que é pecaminoso e considere-se o mais pecaminoso de todos e em todos os sentidos indigno do Senhor. Chore, lamente e cuide da Oração.
  • Oração mental-cardíaca auto-movente 
Depois de tudo o que foi experimentado no caminho do arrependimento, depois de dias de grande tristeza, o homem chega a completar a lealdade à vontade de Deus e se torna o filho de Deus através da graça. Agora, a mente, juntamente com a oração, é introduzida por Deus no coração para fazer a oração mental-cardíaca auto-movente. A partir de agora, o homem se aproxima do verdadeiro conhecimento e completa execução da vontade do Senhor, entrando verdadeiramente na vida espiritual. Sua mente adquire virgindade autêntica, alcançando, mas dificilmente chegando perto, uma das moradas da mente, sobre a qual é dito pelo Senhor: "Na casa de meu Pai há muitas moradas" (João, 14, 2).

A mente, entrando no coração, não fica lá parada. Começa fazendo a Oração junto com o coração, não com a palavra ou pensamento, mas com uma sensação profunda que não pára nem pausa nem mesmo durante o sono ou a qualquer momento, porque essa sensação é virtualmente sem fim. O homem ora ininterruptamente com toda a essência de sua natureza mental ao Senhor, comprometendo-se com Ele e esvaziando-se diante Dele com a gratidão do coração. Todas as virtudes agora entraram no coração com a oração, e entre elas um sentimento de gratidão genuína do coração. A vida verdadeiramente espiritual e virtuosa começa agora, quando as virtudes são praticadas, não para se exibir diante das pessoas, mas de todo o coração e no próprio coração.

A mente, tendo entrado no coração, nunca sai para o exterior, a menos que opte voluntariamente por retornar ao mundo externo. Habitando dentro, a mente pode tocar o externo por necessidade, quando e onde necessário, mas o faz apenas superficial, sem a participação de todo o coração. Entrando nas moradas do coração, a mente se funde com a faculdade espiritual, e o homem, agora se aproximando de Deus com toda a sua alma, continuamente conversa com Ele - tal é o trabalho de oração do homem que vive uma vida verdadeiramente espiritual e virtuosa.

A atividade da Oração revive as virtudes; elas aumentam, fortalecem, aperfeiçoam, "vão de força em força". (Salmo, 83, 8 saltério russo, Salmo 84, 7 saltério inglês). Todas seguem a primeira. O crescimento de uma virtude em seu grau máximo provoca um aumento na mesma proporção nas outras, porque todas as virtudes são da mesma natureza e constituem uma alma unificada. As virtudes não são completas se uma estiver faltando, e uma virtude não pode existir sozinha sem as outras; elas habitam no coração e são chamadas as verdadeiras virtudes, porque a Verdade é una e indivisa.

A primeira das verdadeiras virtudes que se revela depois que a mente entra no coração é a virtude da humildade. A verdadeira humildade não é outra coisa senão o verdadeiro conhecimento de si mesmo, levando à sabedoria na humildade. O homem compreende plenamente a insignificância de seu próprio "eu", que foi criado do nada pela vontade de Deus, e agora ele se torna consciente desse nada. Ele percebe que seu próprio eu é poeira, e o espírito da vida, que foi soprado nele pelo Criador - sua alma - é o sopro do Senhor. Tudo inestimável nele é do Senhor. Ele mesmo não é nada, mas pó da terra.

Quando o Senhor, guiando os humanos em tudo, concede ao homem o conhecimento de si mesmo como a mais insignificante de todas as coisas existentes, então, em uníssono com este autoconhecimento, o homem recebe o conhecimento de Deus, o que os Santos Padres chamam de "conhecimento da Verdade". Conhecer a Verdade - Deus - é, em essência, uma visão sábia de Deus com olhos verdadeiramente espirituais. O Senhor permite-se ser conhecido, saboreado e constitui a busca da essência de uma vida humana. Este é um grande dom, que não pode ser comparado com qualquer outra coisa. É algo que pode ser visto e provado exclusivamente através da atenção verdadeiramente espiritual. É por isso que não pode ser concedido mais cedo, no período ativo, quando o homem ainda existe no estado “homem velho”.

Onde quer que estejam os dons , há o Doador de dons - Deus. Para o mesmo homem a quem deu a verdadeira virtude, o Senhor se entrega, porque a verdadeira virtude é a virtude de Deus. É por isso que o homem que se rendeu completamente à vontade do Senhor e recebeu de Deus o que ele buscou - conhecimento da Verdade - começa a viver uma vida piedosa, uma vida verdadeiramente espiritual, que é chamada "vida segundo o Senhor" e isso é para sempre, de agora em diante. Até este ponto, o homem viveu com a sabedoria da carne. Ele poderia ter sido chamado de homem espiritual e ter desfrutado da reputação de um guru espiritual na sociedade secular, mas não era o caso.

Em sua essência, o homem é diferente quando ele é natural e quando ele é espiritual, como ensina o apóstolo Paulo (ver 1 Co. 2, 14-15). Estritamente falando, a vida espiritual no homem só começa após a aquisição do Espírito Santo, que dá vida eterna ao espírito do homem.

  • Oração mental-cardíaca pura 
Foi mencionado acima que, depois da completa entrega à vontade de Deus, o primeiro grau de oração verdadeiramente espiritual é chamado de mental-cardíaco auto-movente. Embora tenhamos dito apenas um pouco sobre ele, é o bastante. Em seguida, segue um grau mais perfeito de oração - a oração pura. Tal oração de coração mental é feita com mente e coração que estão completamente purificados das trevas e das paixões. O coração ora de maneira pura e desapaixonada, e os pensamentos não vêm mais dele. É por isso que tal pureza é acompanhada pela falta de saltos a várias ideias, quando a mente é liberada dos pensamentos e dos desejos pecaminosos. 

Tal oração é verdadeiramente contemplativa, e o homem vive agora uma vida verdadeiramente espiritual, virtuosa e contemplativa. Conduzindo tal vida, o homem ora na Verdade pelo Espírito Santo. As virtudes da verdadeira mente pura são cultivadas pelo Senhor nos graus mais elevados; Deus abençoa o homem na medida em que sua mente pode receber e na medida em que sua alma pode perceber a bem-aventurança enviada. Deus entrega tudo de Si mesmo ao homem, e o homem clama ao Senhor, derretendo-se da boa vontade do Senhor em amor a ele: "Diminui as ondas da vossa bem-aventurança, Santo Padre, porque estou derretendo como a cera".

Durante a vida contemplativa, em oração pura, o homem recebe acesso para antever os próximos estágios de perfeição, que são possíveis de adquirir nos níveis mais altos da vida espiritual depois de entrar na oração visionária. A mente eleva-se durante a vida contemplativa, de perfeição à perfeição, e todas as virtudes aumentam até a sua plenitude, iluminadas pela bondade do Senhor, alimentada pelo alimento espiritual do Espírito de Deus da mesa do Pai Celestial. O homem começa a habitar com a mente nas moradas do Céu, passando por diferentes graus de conhecimento verdadeiro, visitando, uma após a outra, as salas cada vez mais brilhantes da casa do Pai Celestial.

Na contemplação, o homem pode ser um cavaleiro portando a cruz, imitando a Cristo o Portador da Cruz, fazendo em tudo a vontade de seu Pai Celestial. É impossível ser um cavaleiro portador-da-cruz sem tristezas, assim como Cristo, Filho de Deus em sua essência, passou toda a sua vida terrena em tristezas. As adversidades na vida contemplativa abrangem todo o homem espiritual, mas essas aflições não são aquelas que as pessoas no nível "ativo" têm. Essas dificuldades são de natureza espiritual. Qualquer movimento superior está associado a dificuldades, e o contemplador está sujeito a infortúnios, apesar de ter sido libertado das paixões. E as tristezas podem ser tão grandiosas que só é possível suportá-las àquele que é movido pelo amor do filho por seu Pai Celestial. Mais e mais alto, nosso Pai Celestial toma esse novo homem; em Seu amor, Ele revela um conhecimento misterioso sobre o homem e sobre Si mesmo, que não pode ser conhecido.

O sono foge do homem durante a vida contemplativa, seu corpo se esquece da comida, sua mente transborda com a plenitude das revelações. Tudo isso é acessível, é claro, apenas àqueles cujos poderes espirituais são fortes. O amor a Deus e ao próximo atinge o grau em que não pode ser contido e a mente inflama com o fogo do amor.

  • Oração visionária 
Tudo o que foi escrito aqui sobre a mente verdadeiramente espiritual, começando com a completa entrega à vontade de Deus e terminando com a oração visionária, pode ser corretamente entendido somente quando o próprio homem chega à condição verdadeiramente espiritual de pureza da mente e da alma. Caso contrário, todas as tentativas de compreender a essência dos fenômenos espirituais através da leitura trarão um falso conhecimento, porque a mente que raciocina de maneira carnal não pode compreender o que é dado pelo Espírito Santo. O que é verdadeiramente espiritual é um mistério.

É por isso que não podemos dizer muito sobre a oração visionária, porque entramos na região onde "toda a carne permanece em silêncio". Aquele que é trazido para estas moradas pelo Senhor torna-se o vidente de mistérios.

A contemplação é um predecessor da verdadeira visão da mente. A oração contemplativa pura é um precursor do mais alto grau de todas as virtudes - a oração visionária. Essa virtude também é chamada de pureza do espírito. Na oração visionária, o nous vê Deus diretamente, compreende todas as obras da oikonomia do Senhor, começando com o conselho Divino sobre a criação do homem e terminando com a Segunda Vinda de Cristo e o Juízo Final, e alcança o conhecimento dos grandes mistérios de Deus.

O Pai leva as mentes contemplativas mais dignas às moradas celestes mais elevadas, às câmaras da virgindade espiritual, porque é necessário que a força da natureza humana atue em sua plenitude pelo menos em algumas pessoas. Em tais pessoas, a virtude espiritual é transformada em pureza espiritual, e a vida contemplativa e a oração pura se tornam oração visionária. Isso é organizado pelo Senhor Pantocrator, que alimenta o homem celestial com mistérios celestiais, um homem que vive espiritualmente, mas ainda vagueia na terra na carne. Deus leva esse homem a uma oração visionária, para ver os mais profundos mistérios de Deus. Esta é a mais alta iluminação da mente e da alma na pureza do espírito, a aquisição de todas as perfeições possíveis, o mais próximo de Deus e a ascensão à cidade apocalíptica de "nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus". "(Apocalipse, 3, 12).

Nesta verdadeira pureza de espírito, o Senhor eleva o raro. Daqui o homem glorifica a Deus de todo o coração; dentro dele, ressoa aquela palavra que é cantada pela Igreja: "Iluminado pela unidade da Trindade, o santo mistério". A alma que é purificada tanto quanto é possível "é o próprio Espírito", segundo as palavras de São Makarios, o Grande. Tal alma é amada excessivamente pelo Senhor. Deus se rejubila com a alegria do Espírito por tal alma - Sua noiva. Os Santos Padres comparam essas almas ao sol, porque elas vivem tendo a mente de Deus; elas receberam a Luz da Luz eterna.

A verdadeira vida espiritual começa com a compreensão do homem de que ele se torna o filho de Deus pela graça. Desde que ele se torna um filho, então ele se torna, em imitação de Cristo, um herdeiro espiritual do Pai Celestial. Ele concede a ele, o filho pela graça, a Mente de Cristo. Tal homem, que se tornou um filho do Senhor, vive agora para a glória de Deus.