quinta-feira, 26 de agosto de 2021

Quem iniciou o Grande Cisma? Uma resposta concisa (Craig Truglia)




Como sabemos quem iniciou o "Grande Cisma"? Primeiro, devemos entender o que é a Igreja, o que é cisma na Igreja, e depois como o cisma se formou.

A Igreja una, santa, católica e apostólica, às vezes simplesmente conhecida como a "Igreja Ortodoxa" foi iniciada por Jesus Cristo através da ordenação dos Apóstolos ao título de Bispado (cf At 1,20) por meio de São Pedro. Ele desempenhou o papel de ordenar os outros Apóstolos a seus Bispados (cf Mat 16,18; Optato contra o Livro dos Donatistas 1 Cap 10; Eusébio, História Eclesiástica Livro 2, Cap 1, Par 2-3; João de Thessalonica, Homilia da Dormição Cap 13). Desta forma, todo Bispado é petrino e, em última instância, é originário do próprio Jesus Cristo.

Todos os Bispos sucessores dos Apóstolos fazem parte desta Igreja, desde que não a abandonem. As Escrituras e os Padres são unânimes em explicar que o cisma é o ato de se cortar da comunhão e estabelecer uma jurisdição/igreja paralela onde a Igreja já está.

Muitas pessoas confundem as rupturas locais na comunhão como um cisma categórico. As controvérsias da Igreja Primitiva, como o Cisma Meleciano e as disputas sobre o Concílio de Éfeso, demonstram que é possível haver rupturas na comunhão entre as igrejas locais individuais sem que haja duas facções claramente delineadas, como em um cisma.

Historicamente, cismáticos como Novaciano (um contra-bispo de Roma) e os Donatistas (que ordenaram seu próprio bispo de Roma) não só entraram em cisma localmente, mas espalharam o cisma deles ao ordenar bispos em partes da Igreja que não saíram do rebanho.

Um cismático não só rompe a comunhão, mas também cria uma igreja paralela, ordenando um novo bispo onde já existe um bispo. Para citar Santo Inácio de Antioquia, "Onde quer que o bispo se apresente, que esteja também a multidão; assim como, onde quer que Jesus Cristo esteja, ali está a Igreja Católica". (Esmirnaeans, cap. 8) Portanto, instalar um bispo cismático onde um bispo já tenha "apresentado" é algo definitivamente não-Católico.

E assim, quando se determina quem entrou em cisma e como o fizeram, há um pressuposto interpretativo primordial: que sigamos os ensinamentos de São Vicente de Lerins e mantenhamos a "fé que tem sido crida em toda parte, sempre, por todos. Pois isso é verdadeiramente - e no sentido mais estrito - Católico, que, como o próprio nome e a razão da coisa declaram, abrange tudo universalmente". (Commonitorium Par 6)

Em outras palavras, a definição de cisma deve ser como os Pais o definiram, caso contrário isso é não-Católico. Considerações filosóficas e interpretações inteligentes, mas inovadoras, são irrelevantes. O que faz mais sentido para você não é tão importante quanto o que fazia mais sentido para os Pais. A questão do cisma, como todas as questões doutrinárias, deve ser entendida na linha de como a Igreja sempre creu e praticou (São Vicente chama isto de "consenso") em todos os lugares e em todas as épocas.

O Cisma Meleciano em Antioquia nos fornece um estudo de caso do mundo real. Sem entrar em muitos detalhes, São Melécio foi o bispo de Antioquia, mas foi enviado ao exílio durante a controvérsia ariana. Lúcifer Cagliari da Sardenha de forma não-canônica e unilateral (cf. História Eclesiástica de Sócrates, Livro 3, Cap. 6) ordenou Paulino II como Bispo de Antioquia. Alexandria e Roma reconheceram Paulino no lugar de Melécio e portanto Melécio não os comemorou. Após a morte de Melécio, São Flávio foi ordenado para substituí-lo e foi reconhecido pelo Concílio de Constantinopla I. O Papa São Damasco I (e depois São Papa Siricius) e outros Bispos ocidentais sob sua jurisdição não reconheceram Flávio, embora São Timóteo de Alexandria, que participou do Concílio de Constantinopla I, o reconheceu. A história justifica Melécio e Flaviano, que são santos - e não Paulino, Evagrius e outros sucessores de Paulino. No final dos anos 390, Roma finalmente voltou a entrar em comunhão com a Igreja canônica de Antioquia.

O episódio anterior ilustra como começou um cisma (Roma e Alexandria não reconheceram Melécio) e como o cisma acabou sendo consumado em última instância (Roma e Alexandria entraram em comunhão com o Bispado paralelo em Antioquia). O cisma só foi curado ao voltar a entrar em comunhão com a Igreja canônica de Antioquia e ao cessar o reconhecimento da jurisdição paralela. Este é nosso principal exemplo histórico como a autoridade de um Concílio Ecumênico e a veneração universal dos santos delineia claramente as partes corretas e incorretas nesta questão.

Os cismas das igrejas Orientais [não-calcedonianas] no Egito, Armênia e Síria não são o tópico deste artigo, embora seja suficiente dizer que estas igrejas tanto saíram da comunhão como substituíram Bispos válidos contra os procedimentos canônicos que elas mesmas reconheciam como legítimos. Por exemplo, a deposição de um Patriarca seguindo a lei canônica, como a [deposição] de Constantinopla no Concílio de Éfeso, é reconhecida por eles; mas a deposição canônica de Dióscoro de Alexandria em Calcedônia, por nenhuma razão consistente, não é.

A história do cisma da Igreja Católica Romana não é extremamente complicada. Embora houvesse disputas temporais sobre jurisdição ao longo dos séculos (relativas aos avanços bizantinos na Grécia, nos Bálcãs e no sul da Itália, todos originalmente sob a jurisdição patriarcal Romana), os bispos de Roma nunca responderam deixando de reconhecer a ordenação dos bispos assumidos por Constantinopla, algo que o cânon 17 de Calcedônia (que Roma aceitou) dava apenas 30 anos para contestar. Além disso, a mudança na jurisdição foi feita legalmente, uma vez que o cânon 38 de Trullo permitiu que as jurisdições da Igreja mudassem seu alinhamento com a das linhas provinciais do Império Bizantino. Quando o Papa Adriano I aceitou, em suas palavras, "todos os seus cânones", ele (implicitamente) aceitou estas mudanças jurisdicionais.

Por que os Papas concederiam isto? O Papa João VIII, por exemplo, negociou jurisdição no sul da Itália e nos Bálcãs em troca de uma aliança militar.

Portanto, nunca houve cisma, pois as mudanças jurisdicionais foram afirmadas no direito canônico e consentidas - embora possam ser "injustas". O consentimento é algo importante para se entender. A Igreja consentiu em mudar suas jurisdições para se adequar às linhas romanas provinciais no século IV. Mesmo antes disso, os alinhamentos mudaram. Afinal, tendo em vista que São Paulo morreu em Roma, tecnicamente toda igreja que ele fundou estava originalmente sob a jurisdição local romana. No entanto, isso mudou logo depois. Sabemos que isto é verdade, porque Roma nunca pressionou as reivindicações locais em áreas como Creta e Ásia Menor* que eram originalmente bispados paulinos, mas não o eram por volta do terceiro século (cf. Carta 74 de Cipriano).

*É possível que a "controvérsia pascal" seja uma exceção a isto, com o Papa São Vítor I afirmando sua prerrogativa de excomungar igrejas que ele acreditava estar sob sua jurisdição local.

Em meio a estas considerações territoriais, as mudanças doutrinárias estavam em andamento e as igrejas ocidentais começaram a adotar o Filioque em seu credo. Isto foi algo que inicialmente não criou uma ruptura, pois foi entendido, segundo São Máximo, que o Filioque não contradizia a crença de que o Pai era a única causa eterna do Espírito. Como o passar do tempo, tornou-se claro que os bispos ocidentais não acreditavam mais nisso [nesse entendimento], como evidenciado pelos conflitos entre o Papa Adriano I e os teólogos carolíngios exatamente sobre este ponto, na virada do século VIII.

No século seguinte, isto criou uma ruptura na comunhão entre o Oriente e o Ocidente em meio a brigas políticas. Isto só foi curado quando o Papa João VIII, como verificado em múltiplas cartas suas em latim e grego (fato que significa que estas cartas não são falsificações), reconheceu apenas o Credo sem o Filioque e afirmou o Concílio de reunião de Constantinopla IV (879-880). Os antigos canonistas latinos, como Ivo de Chartes (século XI) e Graciano (século XII) também "consideraram o Sínodo Fociano de 879-880 como tendo sido devidamente aprovado pelo Papa João VIII", citando cartas em latim para este fim. Somente mais tarde os historiadores ocidentais (em oposição a todas as fontes primárias existentes) mudaram suas avaliações sobre João VIII.

Embora o concílio de 879-880 d.C. parecesse proibir os cristãos latinos de usar o Filioque, ele não foi obviamente interpretado desta forma pelas igrejas filioquistas. Citando o Papa Leão III na virada do século VIII, "[o Filioque] pode ser cantado ao ensinar, e ser ensinado ao ser cantado: mas nem por escrito nem por canto pode ser inserido ilegalmente naquilo, que nos é proibido tocar". Assim, a teologia latina aceitou a existência do Filioque e permitiu que ele fosse "ensinado ao ser cantado", mas oficialmente não o colocaram no próprio Credo Constantinopolitano.

Assim, as igrejas latina e oriental fizeram uma trégua que tinha mantido um status quo antes do concílio. Os bispos orientais provavelmente acreditaram que eles haviam impedido que o Filioque fosse divulgado (pois este era o entendimento mais simples da intenção do concílio em suas próprias palavras). O Ocidente, em um movimento para 'manter as aparências', admitiu que em nível oficial o Oriente estava correto, mas o concílio não condenou especificamente a doutrina peculiar deles.

Independentemente dos méritos de ambos os lados, ao discernir a questão do cisma, a questão óbvia é quem quebrou a trégua. A resposta a esta pergunta, que nenhum apologista Católico Romano contesta, é clara: o Ocidente.

No início do século XI, a Igreja romana mudou unilateralmente o Credo - algo que era proibido pela trégua. Então, excomungaram Constantinopla por supostamente "remover [o] filioque do Credo original", entre outras coisas. Isto é historicamente impreciso e demonstra quem iniciou o conflito errado em violação a uma trégua anterior.

Nesta época, para acrescentar insulto às feridas, os normandos conquistaram a Itália bizantina e, com a aprovação de Roma, substituíram os bispos sem o consentimento dos cristãos locais. Eles também impuseram a latinização, incluindo a imposição do Filioque. Isto não foi apenas herético, mas também cismático - introduziu um bispado latino paralelo aos bispos pré-existentes, como o Basílio de Reggio.

Nesta altura, a questão é local e um pouco "bagunçada" - especialmente considerando que os bizantinos tinham séculos antes "invadido" o que antes estava indiscutivelmente sob a jurisdição romana. Isto foi uma "punição merecida". No entanto, a trégua foi obviamente violada e o pecado inconfundível do cisma veio a se espalhar de uma disputa política localizada em uma cisão irrevogável durante as Cruzadas.

Repetidamente, o lado ocidental foi decisivo na exacerbação da situação. Admitido pelos apologistas Católicos Romanos, os cristãos ocidentais instalaram repetidas vezes bispos paralelos e impuseram mudanças litúrgicas, incluindo no Credo - com efeito, criando outra Igreja do que outrora foi uma Igreja una, santa, católica (como São Vicente definia) e apostólica.  Isto inclui o estabelecimento de igrejas paralelas em:
  • Jerusalém e Antioquia (século XII).
  • Egeus e Constantinopla (século XIII).
  • Alexandria, apesar de os cristãos ocidentais nunca terem ocupado o Egito e Alexandria ter mantido até aquela época a comunhão e até mesmo participado do Quarto Concílio de Latrão (século XIII)
  • Terras bálticas, russas, ucranianas e gregas (séculos XIII a XVII).
Este estado de coisas não cessou efetivamente por cerca de seis séculos. O padrão de ações cismáticas é tão claramente incontestável, que o popular apologista Católico Romano Erick Ybarra admitiu repetidamente que essas ações foram "erradas" e "criminosas".

Em resposta, a Igreja Ortodoxa nunca estabeleceu uma igreja paralela por qualquer definição em uma terra Católica Romana antes do século XIX - um ponto tão distante após o cisma que isso é irrelevante. Até hoje, os Ortodoxos nunca constituíram um bispo titular de Roma e há apenas um exemplo de uso da força militar para instalar um bispado Ortodoxo no lugar de um bispado ocidental, que é a conversão forçada dos uniatas por Stalin.*

*A "controvérsia" da eparquia de Chelm não foi uma conversão forçada (admitido por Uniatas)

Em conclusão, se alguém aceita o cânon de São Vicente, deve-se discernir que a Igreja romana está lamentavelmente em cisma. Eles mudaram sua doutrina do Filioque, violaram uma trégua para não adicioná-lo ao Credo, excomungaram os cristãos Ortodoxos, e por fim substituíram seus bispos - formando uma segunda igreja. Com este conhecimento, é possível começar a desfazer os danos - um passo de cada vez.


Original: https://orthodoxchristiantheology.com/2021/02/13/who-started-the-great-schism-a-concise-answer/


Nenhum comentário:

Postar um comentário